Energia favorece ações de outros setores

A necessidade de ampliar a capacidade de geração de energia elétrica e o crescimento econômico devem gerar um fluxo de US$ 22 bilhões em investimentos para o setor de infra-estrutura em 2001. A estimativa é da Associação Brasileira da Infra-Estrutura e Indústrias de Base (ABDIB). O analista Paschoal Paione, da Fator Doria Atherino Corretora , concorda e explica que o setor será o foco do setor de infra-estrutura em 2001. Paione lembra que o crescimento da economia brasileira também deve incrementar outras áreas, como o setor de fabricação de equipamentos seriados, destinados às indústrias de autopeças e plásticos, entre outras. Exemplo disso são as Indústrias Romi, cujas vendas de máquinas seriadas subiram cerca de 50% no acumulado do ano até setembro, em relação ao mesmo período de 1999. O analista recomenda compra para as ações preferenciais (PN, sem direito a voto) que têm potencial de valorização de 52,0% em um ano.Na área de equipamentos para o segmento de energia elétrica, Paione aposta na Bardella e na Confab.A Bardella fornece equipamentos hidromecânicos, usados em hidrelétricas. A Confab produz tubos para gasodutos e oleodutos, além de caldeiras, utilizadas nas usinas térmicas. O analista sugere a compra das ações PN da Bardella e a manutenção dos papéis PN da Confab. Os potenciais de alta são de 31,9% e 19,3%, em um ano, respectivamente. Paione destacou ainda que ambas as empresas são boas pagadoras de dividendos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.