Energia mais barata muda a paisagem dos Estados Unidos

Empresa de energia da Flórida vai demolir a maior usina do estado e instalar uma mais eficiente movida a gás

EFE,

20 de junho de 2013 | 15h11

MIAMI - A chegada da energia mais barata produzida a partir do gás de xisto nos Estados Unidos começa a transformar a paisagem nos locais onde se encontram os centros de geração e distribuição de eletricidade.

A companhia elétrica Flórida Power & Light anunciou nesta quinta-feira, 20, que vai demolir a maior central de geração de energia do Estado, localizada no Porto Everglades.

A central termoelétrica movida a óleo será substituída por uma mais moderna de ciclo combinado de alta eficiência alimentada a gás natural produzido nos Estados Unidos. 

 

Desenho mostra como será a nova central a gás natural, mais eficiente e menos poluente (divulgação)

A nova central será 35% mais eficiente no uso de combustíveis que a atual, e vai diminuir as emissões de gases na atmosfera em mais de 90%.

As instalações vão produzir energia para abastecer 260 mil domicílios, mantendo o baixo custo da energia. Mais de 650 empregos diretos serão criados com a obra.

A empresa informou que vai demolir as caldeiras de 7,5 mil toneladas da atual central, construída na década de 1960 próximo a Fort Lauderdale, na Flórida.

 

A FPL, cuja central está próxima aos grandes centros consumidores e também ao maior porto de combustíveis dos EUA, indicou que a decisão se encaixa dentro do "compromisso de mudar o futuro da energia na região".

"Este importante investimento conta com apoio da comunidade, dos ecologistas, líderes empresariais e da comissão do serviço público da Flórida", afirmou o presidente da FPL, Eric Silagy. "Todos reconhecem os enormes benefícios, incluindo a economia de combustíveis, a qualidade do serviço e a redução de emissões, além da geração de empregos".

Tudo o que sabemos sobre:
Energiagás naturalshalexistoflórida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.