coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Energia no atacado é a mais cara desde o racionamento

Preços tiveram alta de 2,15% em relação aos níveis da semana passada, subindo para R$ 209,96 por MWh

Alaor Barbosa, da Agência Estado,

19 de outubro de 2007 | 17h18

Os preços de referência de energia elétrica no mercado atacadista subiram para R$ 209,96 por MWh, segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), com alta de 2,15% em relação aos níveis da semana passada. Esse é o patamar mais elevado desde o final do racionamento de energia, em 2001/02 e vigora nos quatro sub-mercados (Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte). No ano passado, em meados de outubro, as tarifas de referência estavam em R$ 81,53 em três sub-mercados (Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte) e em R$ 45,62 no Nordeste. Em 12 meses os preços subiram 157,52% nos três sub-mercados e 360,24% no Nordeste. Em meados de outubro de 2005, esses preços estavam em R$ 50,62 no Sudeste/Centro-Oeste, em R$ 18,33 no Sul, R$ 19,55 no Nordeste e R$ 50,62 no Norte.A pressão nos preços reflete a falta de chuvas este ano em todas as grandes regiões brasileiras. Conforme acompanhamento do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), as chuvas no Sudeste estão 45% abaixo da média histórica de 70 anos. No Nordeste e no Norte, as chuvas estão 38% abaixo da média histórica e na região Sul estão 32% abaixo da média de longo prazo. O período mais crítico da falta de chuvas no Sudeste, tradicionalmente, é entre agosto e outubro.

Tudo o que sabemos sobre:
Energiaracionamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.