Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Energia: OAB-SP critica a decisão do STF

Ontem, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a Medida Provisória (MP) com as diretrizes do racionamento de energia é constitucional. Ou seja, pontos polêmicos como a cobrança de sobretaxa e a ameaça de corte não ferem os princípios da Constituição Federal e, portanto, são legais. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção São Paulo, repudiou esta decisão. Para Carlos Miguel Aidar, presidente da entidade, os ministros do Supremo julgaram as medidas de forma política e não jurídica.Entre os onze ministros do STF, oito votaram a favor do governo e dois contra. Faltou apenas o voto do ministro Ilmar Galvão que estava viajando e não participou do julgamento. A posição dos ministros Marco Aurélio Mello - presidente do Supremo - e Néri da Silveira foram apontadas por Aidar como corretas, pois respeitaram os direitos contitucionais. "A suspensão de mais de 50 liminares concedidas contra o programa de racionamento é um ato contra os direitos do cidadão e os ministros sabem disso. A sobretaxa e os cortes para os consumidores que não cumprirem as metas fixadas são ilegais", argumenta.A OAB-SP também havia entrado com uma Ação Civil Pública contra as medidas do governo e obteve uma liminar (decisão provisória) a seu favor, impedindo o corte e a sobretaxa e beneficiando os moradores do Estado de São Paulo. Porém, com a decisão de ontem, o presidente da entidade afirma que "não há mais instâncias legais para que o consumidor possa interpor recurso." Afinal, o STF é o órgão máximo da Justiça no País.

Agencia Estado,

29 de junho de 2001 | 12h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.