Helvio Romero/Estadão - Arquivo 26/05/2009
Helvio Romero/Estadão - Arquivo 26/05/2009

Energia solar precisa entrar no planejamento energético brasileiro

Servido de recursos, é fundamental a incorporação dos aquecedores solares de água no planejamento da matriz energética nacional

Oscar de Mattos*, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2022 | 04h00

A produção acumulada de eletricidade dos aquecedores solares de água instalados no Brasil é de 13,5 GW, o que equivale à quase totalidade da de Itaipu, de 14 GW. O montante é exatamente igual ao déficit em relação ao que foi programado para o aumento da geração no País nos últimos dez anos, apontado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Apesar da obviedade dos números, essa companhia ligada ao governo federal não reconhece oficialmente e desconsidera em seus planos anuais uma tecnologia nacional capaz de contribuir para evitar apagões, equilibrar a demanda e ajudar pessoas físicas e jurídicas a reduzirem o valor da conta de luz.

É fundamental a incorporação dos aquecedores solares de água no planejamento da matriz energética nacional, sua ampliação e diversificação. A medida torna-se ainda mais premente neste momento de crise hídrica, risco de interrupções no fornecimento e majoração expressiva das tarifas, fator que pressiona os índices inflacionários e aumenta o custeio das empresas e as despesas das famílias. Assim, parece bastante contraditório o fato de a EPE apontar que, na última década, o País não atingiu os valores planejados e, ao mesmo tempo, ignorar uma tecnologia cuja disseminação contribuiria para as necessárias soluções.

Temos uma solução brasileira e sustentável para enfrentar a crise energética e até mesmo equipar casas dos programas governamentais de habitação. Os aquecedores solares de água são cerca de quatro vezes mais eficientes do que os painéis fotovoltaicos e atendem a aplicações residenciais de baixa até alta renda, comerciais, industriais e serviços. 

Sem dúvida, trata-se da alternativa mais eficaz para a redução expressiva do consumo nos chuveiros elétricos, que sobrecarregam muito o sistema no horário de ponta (entre 17 e 21 horas), representando mais de 7% de toda a eletricidade gasta no País e cerca de 37% da residencial, segundo dados do Balanço Energético Nacional da Empresa de Pesquisa Energética (EPE, 2021) e Pesquisa de Posse de Hábitos de Uso e Consumo (Eletrobrás, 2019).

Estamos falando de uma tecnologia totalmente nacional, presente há mais de 40 anos, que gera empregos apenas no País, utiliza apenas matérias-primas brasileiras e tem certificação do Inmetro, com base em normas internacionais. Ou seja, produtos de alta qualidade e eficiência.

A energia solar térmica é uma solução barata para o aquecimento de água, sustentável e eficiente. Também reduz a emissão de gases de efeito estufa. Seu sistema não é ligado à rede elétrica. Sua fonte de eletricidade é somente o sol. Assim, possibilita expressiva redução de custo nas contas de luz e do consumo nacional. Portanto, é uma solução que não pode continuar sendo ignorada pelo governo e as autoridades do setor energético.

*Oscar de Mattos é presidente da Abrasol (Associação Brasileira de Energia Solar Térmica)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.