Antonio Larcerda/EFE
Antonio Larcerda/EFE

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Engenheiros da Petrobrás pedem mudanças na política de preços dos combustíveis

Entidade da categoria divulgou nota neste domingo, 27; argumento se baseia em perda de mercado interno para importadores

Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

27 de maio de 2018 | 11h56

A Associação dos Engenheiros da Petrobrás (Aepet) publicou nota em defesa de mudanças na atual política de preços adotada pela empresa. “A Petrobrás é uma empresa estatal e existe para contribuir com o desenvolvimento do País e para abastecer nosso mercado aos menores custos possíveis. A maioria da população quer que a Petrobrás atue em favor dos seus legítimos interesses, enquanto especuladores do mercado querem maximizar seus lucros de curto prazo”, traz o comunicado.

O argumento da entidade se baseia na perda de mercado interno para importadores, desde que a Petrobrás passou a acompanhar os preços praticados no mercado internacional, em outubro de 2016. “A partir de então foram praticados preços mais altos que viabilizaram a importação por concorrentes. A estatal perdeu mercado e a ociosidade de suas refinarias chegou a um quarto da capacidade instalada”, afirma. Segundo a Aepet, a exportação de petróleo cru disparou, enquanto a importação de derivados bateu recordes. A importação de diesel se multiplicou por 1,8 desde 2015, dos EUA por 3,6. O diesel importado dos EUA, que em 2015 respondia por 41% do total, em 2017 superou 80% do total importado pelo Brasil, de acordo com a entidade.

++ Petroleiros decidem entrar em greve na próxima quarta-feira

“A atual direção da Petrobrás divulgou que foram realizados ajustes na política de preços com o objetivo de recuperar mercado, mas até aqui não foram efetivos. A própria companhia reconhece nos seus balanços trimestrais o prejuízo na geração de caixa decorrente da política adotada”, informa a Aepet, que contraria o argumento da atual gestão da empresa, de que, durante o governo petista, a empresa perdeu dinheiro, principalmente, com a retenção dos preços nas refinarias. “A verdade é que a geração de caixa da companhia neste período foi pujante, sempre superior aos US$ 25 bilhões, e compatível ao desempenho empresarial histórico”, complementa. 

++ Greve: petroleiras defendem liberdade de preços e criticam tabelamento

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobráspetróleogrevecaminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.