coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Engenheiros trocam armamentos por engenhocas promocionais

Três engenheiros trocaram o trabalho focado no mercado de armamentos para se divertir no segmento promocional desenhando máquinas, no mínimo, curiosas. Roleta de prêmio, alfândega da sorte, termômetro do amor e o pênalti premiado são alguns dos equipamentos desenvolvidos pelos sócios da Droid Tecnologia Promocional, empresa fundada em São Paulo em 1988.Marcelo Acquaviva, Ivan Baitas e Ronald Peach eram companheiros de profissão na Engesa, fabricante de material bélico, quando decidiram dar o grito de independência. Resolveram fabricar circuitos eletrônicos, um bem escasso àquela altura no Brasil, para todo tipo de segmento. Com o domínio do assunto, o trio não tardou a receber encomendas de equipamentos completos para diversos setores. O que prevaleceu, entretanto, foi o segmento promocional.Todo o maquinário do portfólio da Droid atende grandes empresas que participam de feiras ou eventos, tais como Nestlé, Esso, Renault etc. A roleta de prêmios, por exemplo, é toda eletrônica. Ao invés de uma bolinha que gira para encontrar um número determinado, a roleta da Droid tem um painel eletrônico com a seqüência de fotos dos produtos da empresa. Um visitante de um estande da Nestlé, por exemplo, aperta um botão e uma luz percorre foto a foto até parar em um dos produtos. É o brinde que a Nestlé pode dar ao seu visitante."São equipamentos que estimulam os sorteios e fixam a marca da companhia", diz o engenheiro eletrônico, Marcelo Acquaviva, sócio da Droid, que faturou R$ 2,5 milhões no ano passado. A empresa recebe, ainda, encomendas de equipamentos sob medida. A Bayer, por exemplo, encomendou uma embalagem gigante, de cerca de dois metros de altura, do inseticida Baygon. No centro da grande maquete, foi inserido um quizz eletrônico para a exposição num ponto-de-venda.Ao todo, a Droid conta com cerca de 30 produtos diferentes. A experiência no ramo estimulou ainda a criação de uma segunda empresa, a Oficina de Merchandising, que fabrica balcões, carrinhos, quiosques, entre outros, com a logomarca da empresa para a degustação em pontos-de-venda ou em eventos. Para projetos mais ambiciosos, o balcão pode ter a forma da embalagem de um produto.Mochila térmicaA Oficina, que já soma 20 diferentes produtos, incluindo urnas especiais para sorteio, desenvolveu também uma mochila térmica para a venda de bebidas em ambientes abertos. A Garoto, por exemplo, fez degustação de um novo achocolatado percorrendo praias nas férias do final do ano. A criatividade da empresa, que participou esta semana da Free Shop Meeting 2002, em São Paulo, já atravessou fronteiras. O grupo já recebeu encomendas de outros países, como França. Segundo Acquaviva, as vendas para o mercado externo devem ser reforçadas com a participação da Droid num consórcio de exportação nacional de material e equipamento de merchandising. Leia mais sobre Comércio e Serviços no AE Setorial, o serviço da Agência Estado voltado para o segmento empresarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.