Engorda de suínos é opção de investimento

Um dos objetivos do Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é aumentar os investimentos de pessoas físicas no setor agropecuário. Negociando contratos com empresas, que depois tentam vender aos investidores, a CVM busca chamar a atenção para os benefícios desse tipo de investimento.Uma das opções é o suíno. Este ativo faz parte do contrato de investimentos coletivos - títulos equivalentes a produtos destinados à comercialização que garantem direito de participação, parceria, remuneração e prestação de serviços pelas empresas. A Bawman Agropecuária e Comercial SA, por exemplo, é a empresa que resolveu apostar na engorda de suínos, fechando um acordo de 500 contratos de 5000 quilogramas, segundo o gerente de registros da CVM, Reginaldo Pereira.Depois de firmadas as negociações com a CVM, a empresa sai em busca de investidores que comprem esses contratos. No caso da Bawman, o prazo de resgate da aplicação foi estipulado em 18 meses, com taxa de administração de 10% sobre o valor a ser resgatado na data em que a operação se realizar.Mercado de suínos"É importante que o investidor tenha informações claras antes de fechar acordos, pois o mercado de valores mobiliários é arriscado apesar das grandes chances de ganhos", alerta Pereira. Em relação ao investimento no suíno, o investidor corre o risco de avariação - rendimento negativo - por conta das oscilações no preço do quilograma. Ou seja, se no momento da compra o preço do quilo era de R$ 30,00 e um ano depois passou a custar R$ 18,00, haverá prejuízos. Porém, há a possibilidade de que o investidor tenha ganhos com a engorda dos suínos, compensando a avariação e garantindo boa rentabilidade. Se um investidor fechar um contrato de mil quilos, depois de uma engorda, ele passará a ter mais quilos. É daí que vem o rendimento, independentemente das mudanças no preço do ativo.Veja em outra matéria algumas dicas de como investir nesse tipo de mercado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.