Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Enorme alta dos preços e da inflação acontece no Brasil e no mundo

Sem dúvida, este é o resultado do esforço dos bancos centrais em incentivar a retomada do crescimento de suas economias

Nathan Blanche*, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2021 | 04h00

Fomos todos surpreendidos com os últimos dados e previsões da inflação para 2021. 

No início do ano as previsões da inflação para este ano eram de 3,5%. Nesta semana, os dados acumulados do IPCA em 12 meses em maio já haviam atingido 8,0% e deve fechar o ano na casa de 6,0%.

No mercado internacional o cenário não é muito diferente. Os Estados Unidos e a zona do euro foram surpreendidos com a enorme alta dos preços e indicadores da inflação tanto no atacado quanto no varejo, confirmando essas pressões.

Sem dúvida, este é o resultado do enorme esforço dos bancos centrais (BCs) em incentivar a retomada do crescimento de suas economias.

Conforme dados do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), seu balanço sofreu aumento de US$ 4,15 trilhões para US$ 7,9 trilhões até maio de 2021, representando alta de US$ 3,75 trilhões. O Fed segue comprando US$ 120 bilhões/mês em ativos. Já na zona do euro, o Banco Central Europeu elevou seu balanço nesse mesmo período em 3 trilhões de euros. 

Somando o aumento de liquidez proveniente desses dois maiores BCs do mundo tem-se US$ 7,35 trilhões, isso equivale a 20% do PIB dessas duas regiões. A estes poderíamos somar o aumento de liquidez de outros BCs, como o da Inglaterra, do Japão e de outros.

Difícil chegar a um número preciso do aumento dessa liquidez e seus efeitos em termos de oferta de crédito e aumento da demanda agregada no mercado mundial.

Para termos uma ideia da pressão de preços resultado do aumento de liquidez, o preço dos automóveis usados nos Estados Unidos (claramente por falta da oferta de novos) subiu 7,3%.

Sem dúvida, fica mais fácil identificar uma das fontes de pressão para a produção de carros novos, que é a alta no minério de ferro na ordem de 160% entre maio/21 e fevereiro/2020.

Em relação aos preços da tonelada/soja, o aumento foi além de cerca de 80% no mesmo período. Para completar e entender a alta generalizada dos preços em nível mundial, e principalmente das commodities, o crescimento da China para este ano deve atingir 8,5%.

Essa correlação de preços externos com internos pode ser mais bem observada pela evolução do índice de commodities (IC-BR) produzido e divulgado pelo Banco Central.

Esse indicador é construído com base nos preços das commodities agrícolas, metálicas e energéticas em dólar ($) e convertidos para real (R$).

O gráfico 1 mostra a forte correlação dos preços dólar/real, o que nos facilita entender a fonte das pressões inflacionárias. Esse movimento das commodities tem como pano de fundo o forte aumento da liquidez nos mercados internacionais. 

Esse processo ajuda a explicar a boa performance de nossas contas externas, com robusto saldo da balança comercial. Em 2020, o superávit da balança comercial foi de US$ 50,4 bilhões e para 2021 a previsão é de US$ 70 bilhões.

Se, de um lado, tem promovido um saldo mais robusto da balança comercial brasileira, por outro lado, a alta dos preços pressiona a inflação interna.

Esses indicadores mais favoráveis para a economia brasileira em parte camuflam um quadro fiscal ainda muito delicado que pode comprometer o crescimento do País, se assim continuar.

As incertezas prevalecem na economia, com a falta de solidez nos fundamentos econômicos principalmente em sua dimensão fiscal.

Podemos observar no gráfico 2, a comparação do Brasil com quatro países em desenvolvimento na América Latina (Chile, Colômbia, México e Peru). Nas contas externas somos campeões, pois o Brasil detém reservas suficientes para pagar 114% da dívida externa, enquanto a média dos quatro países citados é de 54,5%.

Mas onde estamos cada vez mais indo para o brejo é na relação dívida bruta x PIB. Na média dos quatro países a relação é de 48,4%, enquanto no Brasil é de 98,4%, ou seja, um nível quase 50% mais elevado.

*ECONOMISTA E SÓCIO DA TENDÊNCIAS CONSULTORIA INTEGRADA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.