ENTENDA: Ação de BCs pode estimular empréstimos aos consumidores

O risco, alerta colunista do ‘Estado’, é que os bancos não repassem todo o dinheiro por falta de confiança na capacidade de pagamento dos seus tomadores

Economia & Negócios,

30 de novembro de 2011 | 12h23

SÃO PAULO - A ação coordenada entre Fed, Banco do Canadá, Banco da Inglaterra (BOE), Banco do Japão (BOJ), Banco Central Europeu (BCE) e Banco Nacional da Suíça (SNB) anunciada nesta quarta-feira, 30, pode fazer com que os bancos emprestem mais às familias e às empresas.    

Ouça aqui o comentário do colunista José Paulo Kupfer

O risco, explica o colunista do Estado, José Paulo Kupfer, é que os bancos não repassem todo o dinheiro por falta de confiança na capacidade de pagamento dos seus tomadores. "Apesar desse alívio, os bancos podem 'sentar em cima' do dinheiro mais barato e fazer o que se chama empossar os recursos", diz.

As medidas anunciadas pelos BCs diminuem a taxa de juros nas trocas dos bancos com moedas estrangeiras. "Por exemplo, o Fed emprestaria dólares a uma taxa menor e esses dólares seriam colocados nas economias locais, principalmente na Europa, para facilitar a liquidez", afirma Kupfer. "No caso americano, ocorreu uma coisa parecida, com aquele afrouxamento monetário que o Fed fez duas vezes e que resultou, até aqui, em pouquíssimos ganhos para a economia", diz.

Tudo o que sabemos sobre:
bcsaçãoconsumidoresempréstimos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.