Entenda o caso Goldman Sachs

Banco é acusado de fraudar negócios envolvendo hipotecas subprime 

Economia & Negócios,

30 de abril de 2010 | 08h02

O banco de investimentos Goldman Sachs é acusado de fraudar negócios envolvendo hipotecas subprimes (de alto risco), negociadas em 2007. Segundo a Securities and Exchange Commission (SEC, na sigla em ingles, órgão equivalente à Comissão de Valores Mobiliários), o banco sabia do fracasso dos produtos vendidos caso a bolha imobiliária explodisse - esses papéis haviam sido criados por grupos que apostavam no fracasso deles.

 

Segundo a acusação da SEC, que move uma ação civil contra o banco e um de seus vice-presidentes, Fabrice Tourre, desde 16 de abril, o Goldman Sachs prejudicou investidores ao dar "declarações falsas" e negligenciar "informações vitais".

O caso teve início quando Tourre recebeu um pedido do megainvestidor John Paulson para criar produtos derivados das hipotecas subprime (de alto risco), recebendo US$ 15 milhões por isso. A bolha imobiliária estava no auge e iria explodir, acreditava Paulson. Além do Goldman, outros clientes foram aconselhados a apostar contra o novo produto, o Abacus-2007-AC1.

O Goldman Sachs, então, passou a vender o produto para clientes comuns, informando de que ele fora organizado por uma parte independente do banco de investimento, segundo a SEC. Isto é, esses clientes teriam sido enganados em detrimento de investidores como Paulson e o próprio banco.

Os prejuízos causados a esses clientes pode chegar a US$ 1 bilhão.O Royal Bank of Scotland, por exemplo, havia comprado papéis no valor de US$ 841 milhões.

Atualmente, o banco é controlado pelo Tesouro britânico, país que já desembolsou US$ 70 bilhões para salvá-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.