Entenda o novo plano dos EUA para regatar bancos

Os bancos americanos receberam um pacote de ajuda do Tesouro no total de US$ 1 trilhão. O anúncio foi feito nesta terça-feira, 10, pelo secretário do Tesouro, Timothy Geithner. Além disso, anunciou ações voltadas ao crédito para o consumidor e para as empresas. No total, o plano de ajuda pode superar US$ 2 trilhões.  Veja abaixo os principais pontos: 1. Fundo de Investimento público-privado - é um fundo destinado a ajudar bancos com problemas de balanço ('bad bank'). Inicialmente, será formado por recursos públicos, os quais, com o passar do tempo, serão substituídos por capital privado em troca de garantias. Este fundo começará com US$ 500 bilhões, podendo chegar a US$ 1 trilhão. 2. Crédito ao consumidor e às empresas - expansão do programa de empréstimos lançado em novembro e conhecido como Linha de Empréstimo a Termo de Ativos Lastreados em Ativos (Talf, em inglês). O total passou de US$ 200 bilhões para US$ 1 trilhão. Objetivo é impulsionar os mercados secundários de crédito, reduzir os custos da tomada de empréstimos e ajudar a fazer o crédito fluir novamente. 3. Hipotecas - o plano, cujos detalhes devem ser anunciados na semana que vem, prevê ainda US$ 50 bilhões para tentar minimizar os impactos da execução de hipotecas. 4. Injeção direta de capital - Tesouro prevê ajuda direta a bancos, que poderá vir da segunda parte do pacote de US$ 700 bilhões, ou seja, o restante que soma U$ 350 bilhões. Também nesta terça, por 61 a 37 votos, o Senado dos Estados Unidos aprovou o pacote de US$ 838 bilhões de combate à crise nesta terça-feira, 10. Eram necessários 60 votos.  Agora, os senadores terão de discutir com a Câmara dos Representantes (deputados) uma versão final para o pacote, porque o projeto aprovado pela Câmara na semana passada é de US$ 819 bilhões, diferente do documento do Senado.  Veja também:Senado aprova pacote de US$ 838 bilhões por 61 votos a 37EUA anunciam US$ 1 trilhão para bancos com problemasDe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.