Entenda o que é fundo soberano

Trata-se da aplicação de parte das reservas internacionais em investimentos de maior risco e retorno

Agência Estado,

24 de outubro de 2007 | 19h47

Com US$ 165,099 bilhões em caixa, o Brasil é atualmente a oitava maior reserva internacional do mundo. Se por um lado este dado é bom para o País - pois reduz a vulnerabilidade do Brasil em relação às crises externas -, também traz uma conseqüência negativa: a baixa rentabilidade destes recursos, já que a maior parte está aplicada em títulos dos EUA, que rendem por volta de 4,5% ao ano. Cálculos mostram que em dois anos (2006 e 2007) esta perda pode chegar a R$ 100 bilhões. Este valor considera a perda de valor das reservas devido à valorização do real e ao fato de a remuneração delas ser menor que o custo da dívida interna emitida por causa da compra de dólares.  Para estancar essa perda, representantes do governo e economistas começaram a debater a criação de um fundo soberano. Trata-se da aplicação de parte das reservas internacionais em investimentos de maior risco e retorno.  China, Cingapura, Emirados Árabes e Arábia Saudita já adotaram esta solução. A China, por exemplo, aplica US$ 300 bilhões em ações, além de ter participações em bancos e em empresas pelo mundo. No Brasil, a discussão ainda deve avançar. O governo brasileiro debate quanto de dinheiro levar para um fundo de risco, em quais empresas e papéis aplicar, como e quem vai gerenciar os investimentos e quando aplicar parte dessas reservas.

Tudo o que sabemos sobre:
Fundo soberano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.