Entenda os principais índices de inflação do País

O governo federal adotou em 2000 o sistema de metas de inflação para controlar a variação de preços no País. Para fazer esse controle, o Comitê de Política Monetária (Copom) usa as taxas de juros para conter o consumo e, com isso, os preços. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é utilizado pelo Conselho Monetário Nacional para estabelecer as metas a cada ano.  Veja também:A variação da inflação em 2007  Mas há outros índices de inflação no País que são importantes, pois são utilizados em reajustes de contratos de aluguel, tarifas públicas, entre outros. Conheça abaixo os principais índices: Índice Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)  O Índice Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mede a variação de preços para as famílias com rendimentos mensais compreendidos entre 1 e 40 salários mínimos, nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, Brasília e município de Goiânia. O índice tem como unidade de coleta estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, concessionária de serviços públicos e domicílios (para levantamento de aluguel e condomínio). O período de coleta do IPCA estende-se, em geral, do dia 01 a 30 do mês de referência. Para calcular o índice, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) considera nove grupos de produtos e serviços: alimentação e bebidas; artigos de residência; comunicação; despesas pessoais; educação; habitação; saúde e cuidados pessoais; transportes e vestuário. Ao todo, são calculadas as variações de preços de 465 subitens. O IPCA é o índice utilizado pelo Conselho Monetário Nacional para calcular a meta de inflação para o Brasil a cada ano. Atualmente, a meta para a variação de preços em 2008 é de 4,5%. Variação acumulada em 2006 - 3,14%Variação acumulada em 2007 - será divulgada no dia 11 de janeiro Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), calculado pela Fundação Getúlio Vargas, origina-se de média ponderada do Índice de Preços do Atacado (IPA-M, peso de 60%), do Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M, peso de 30%) e do Índice Nacional de Construção Civil (INCC-M, peso de 10%).   A coleta de preços é feita entre o dia 21 do mês anterior ao de referência e o dia 20 do mês de referência. A cada mês de referência apura-se o índice três vezes: os resultados das duas primeiras apurações são considerados valores parciais (prévias), a última é o resultado definitivo do mês.  Assim como os outros Índices Gerais de Preços (IGPs) calculados pela FGV, o IGP-M apura as variações de preços de matérias-primas agrícolas e industriais no atacado e de bens e serviços finais no consumo. Entre os itens considerados estão os preços de produtos alimentícios, transporte, habitação, educação, saúde e vestuário.  O IGP-M costuma ser utilizado para reajustar contratos de aluguel, tarifas públicas e planos e seguros de saúde (nos contratos mais antigos). Variação acumulada em 2006 - 3,83%Variação acumulada em 2007 - 7,75% Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI), calculado pela Fundação Getúlio Vargas, origina-se de média ponderada do Índice de Preços do Atacado (IPA-DI, peso de 60%), do Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI, peso de 30%) e do Índice Nacional de Construção Civil (INCC-DI, peso de 10%).  A coleta de preços é feita no mês cheio, de 1 a 30 ou 31 de cada mês. A cada mês de referência apura-se o índice três vezes: os resultados das duas primeiras apurações são considerados valores parciais (prévias), a última é o resultado definitivo do mês.  Assim como os outros Índices Gerais de Preços (IGPs) calculados pela FGV, o IGP-DI apura as variações de preços de matérias-primas agrícolas e industriais no atacado e de bens e serviços finais no consumo. Entre os itens considerados estão os preços de produtos alimentícios, transporte, habitação, educação, saúde e vestuário.  Embora não seja mais usada para reajustar a tarifa de telefone, a taxa acumulada do IGP-DI ainda é usada como indexadora das dívidas dos Estados com a União. Variação acumulada em 2006 - 3,79%Variação acumulada em 2007 - 7,89% Índice de Preços ao Consumidor da Fipe (IPC-Fipe) O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) é calculado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) desde 1968 e registra a variação de preços no município de São Paulo.  A Fipe calcula a cada semana as variações quadrissemanais do IPC para a faixa de renda familiar entre 1 e 20 salários mínimos. O sistema de cálculo da variação quadrissemanal abrange um período de 08 semanas de coleta, com no mínimo 07 e no máximo 08 dias, para adequar o sistema aos meses do ano que têm de 28 a 31 dias.  As variações são obtidas comparando-se preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os das quatro primeiras semanas (base). Desta forma, para o cálculo de cada nova taxa inclui-se os preços coletados na última semana e descarta-se os dados da semana mais antiga. A Fipe mede a variação dos itens em sete grupos de despesa: habitação, alimentação, transportes, despesas pessoais, saúde, vestuário e educação. O IPC-Fipe é utilizado como indexador informal para contratos da Prefeitura de São Paulo. Variação acumulada em 2006 - 2,55%Variação acumulada em 2007 - 4,38% Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mede a variação de preços para as famílias com rendimentos mensais compreendidos entre um e seis salários mínimos, nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, Brasília e município de Goiânia. O índice tem como unidade de coleta estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, concessionária de serviços públicos e domicílios (para levantamento de aluguel e condomínio). O período de coleta do INPC estende-se, em geral, do dia 01 a 30 do mês de referência. Para calcular o índice, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) considera nove grupos de produtos e serviços: alimentação e bebidas; artigos de residência; comunicação; despesas pessoais; educação; habitação; saúde e cuidados pessoais; transportes e vestuário. Ao todo, são calculadas as variações de preços de 465 subitens.O INPC é utilizado para negociação de reajustes salariais.  Variação acumulada em 2006 - 2,81%Variação acumulada em 2007 - será divulgada no dia 11 de janeiro

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.