Entidade pede aumento do seguro-apagão

O presidente da Comercializadora Brasileira de Energia Emergencial (CBEE), Francisco Ivaldo Frota, pedirá na próxima semana à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que seja reajustado em março o valor do seguro-apagão. Não foi divulgado qual será o índice de reajuste a ser solicitado, mas a CBEE usará o argumento de que está prevista na lei a possibilidade de reajuste trimestral, o que não foi concedido em setembro e em dezembro do ano passado. Na última vez, a CBEE havia pedido 14% de aumento.O seguro-apagão vem sendo cobrado nas contas de luz desde março do ano passado. Para cada quilowatt consumido é cobrado R$ 0,0057. Os recursos do seguro-apagão são utilizados para pagar o aluguel das usinas emergenciais. A intenção da CBEE é evitar que falte dinheiro em caixa.A assessoria da CBEE informou que foi suspenso o pagamento do aluguel de 27 usinas emergenciais nos Estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco. Segundo a assessoria da empresa, está suspenso o pagamento de R$ 63 milhões referente ao aluguel do mês de janeiro. A decisão da CBEE deve-se a problemas, detectados pela Aneel, de escoamento da energia e acesso à rede das distribuidoras que atuam nos três Estados: a Coelce (CE), a Celpe (PE) e a Cosern (RN). O pagamento poderá ser retomado se os problemas forem resolvidos entre os proprietários das usinas e as distribuidoras. As usinas emergenciais, 54 ao todo, foram contratadas em 2001 e 2002 para serem acionadas em momentos de crise de energia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.