Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Entidades e centrais sindicais protestam contra juros altos

Começou por volta das 16h30 desta quarta-feira uma manifestação contra a alta dos juros, em frente ao edifício do Banco Central, em São Paulo, na Avenida Paulista. A manifestação foi organizada pelas centrais sindicais Força Sindical e Social Democracia Sindical (SDS), em conjunto com o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), entre outras entidades representativas de classe.Cerca de 45 ritmistas das escolas de samba do Terceiro Grupo do carnaval paulista Dragões de São Miguel, Unidos de São Miguel, Flor da Vila Dalila e Primeira do Itaim fizeram neste horário um carnaval, acompanhados por cerca de 50 soldados da Polícia Militar, que montaram um cordão de isolamento em frente ao BC.Outros 50 manifestantes portavam bandeiras e faixas protestando contra o que consideram juros altos. Um carro de som também estacionou em frente ao edifício, onde lideranças, como os presidentes da Força, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, do Ciesp, Claudio Vaz, da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas, Salomão Gawendo, e o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), Synésio Batista, são aguardadas para protestar contra os juros.Segundo os organizadores do protesto, assim que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciar a decisão sobre os juros, haverá uma queima de fogos no local para "comemorar" as taxas de juros mais altas do mundo, de acordo com os manifestantes.Por conta do protesto, o trânsito na Avenida Paulista, no sentido Consolação, já começa a sofrer conseqüências, com o aumento de congestionamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.