Entrevista com o CEO

Vicenzo di Giorgio, de 41 anos, trocou um cargo de diretor na gigante TIM para ser o presidente e CEO de uma empresa menor na América Latina, a italiana Onda Mobile, que fabrica mini modens e celulares. Apesar do medo que sentiu, decidiu deixar o que chama de zona de conforto na operadora pelo desafio de comandar totalmente a operação da Onda. Ele admite que o processo foi assustador. Mas ele acredita que esse sentimento faz parte do crescimento pessoal e profissional. Por isso, recomenda ao jovens que procurem esse sentimento e, ao mesmo tempo, defende que não tenham pressa para chegar a postos mais altos: o foco deve ser sempre fazer bem feito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.