ENTREVISTA-Grau de investimento para o Brasil é 'notável'--Bird

O rating inédito de grau de investimentoconcedido pela Standard & Poor's para o Brasil na quarta-feiraé uma boa notícia e um feito notável, dadas as condiçõeseconômicas de risco atuais e os distúrbios recentes no mercadofinanceiro, disse um economista do Banco Mundial (Bird). A decisão ocorreu um dia antes da data marcada pelo BancoMundial para considerar uma nova estratégia de quatro anos paraempréstimos ao Brasil, que deve aumentar os empréstimos para odesenvolvimento da maior economia da América Latina. "O que eu acho notável é que isso está acontecendo em meioa condições internacionais bem turbulentas, o que realmente dizmuito sobre a melhora da qualidade das finanças da AméricaLatina, em particular do Brasil", disse Augusto de la Torre,economista-chefe do banco para a América Latina, à Reuters. "Apesar da deterioração no ambiente financeirointernacional, o poder de recuperação do quadro econômico noBrasil, a melhora nas condições financeiras e uma melhorperspectiva para o futuro provaram a resistência (do país) aoambiente externo", acrescentou. A S&P elevou a avaliação do Brasil para "BBB-", entrando nafaixa de grau de investimento, a primeira obtida pelo país apartir de uma grande agência de classificação. De la Torre disse que o impacto da elevação da notabrasileira na economia do país de uma maneira mais ampla já foiantecipado de muitas maneiras e ficou evidente na aceleração docrescimento do Produto Interno Bruto do Brasil. Houve ainda um crescente consenso entre investidores de queo país se tornou menos vulnerável a choques financeiros eeconômicos, afirmou. O país cortou sua dependência do Fundo MonetárioInternacional há alguns anos e quitou a dívida com o fundo em2005, depois de a economia emergir de uma crise de confiançados investidores que durou de 1999 a 2002. O economista afirmou que a melhora da nota brasileira abreoportunidades no país para investidores que, por conta dealgumas normas, não podiam colocar dinheiro no Brasil e agorapodem. "Isso formalmente abre a porta para um bom bocado dedinheiro nas mãos dos investidores para dar suporte aodesenvolvimento do Brasil", afirmou De la Torre. Juntamente com a explosão dos preços das commodities, onovo status de grau de investimento também impulsionará ocrescimento brasileiro, especialmente levando-se em conta asrecentes descobertas de grandes jazidas de petróleo pelaestatal Petrobras, acrescentou De la Torre. (Reportagem de Lesley Wroughton)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.