ENTREVISTA-Impacto da política industrial começa em julho--Jorge

Os incentivos oferecidos pelo governoem sua política industrial devem começar a ser sentidos pelasempresas a partir de julho ou agosto "na melhor hipótese", e osimpactos sobre a balança comercial só são esperados para opróximo ano, afirmou o ministro de Desenvolvimento, MiguelJorge, neste terça-feira. "Até essas medidas se tornarem efetivas, até elas começarema ter algum efeito na economia levará algum tempo", afirmouMiguel Jorge em entrevista à Reuters. "Eu acredito que osprimeiros efeitos devem surgir por volta de julho, agosto nahipótese." O governo anunciou na segunda-feira um conjunto dedesonerações no valor de 21,4 bilhões de reais à indústria,além de um incremento do financiamento ao investimento, àinovação tecnológica e às exportações. O governo espera que o pacote, em gestação há quase um ano,contribua para conter a deterioração das contas externas --umadas metas do programa é elevar a participação das exportaçõesbrasileiras no comércio mundial de 1,18 por cento a 1,25 porcento até 2010. A meta de exportar 180 bilhões de dólares este ano,contudo, não foi alterada com o anúncio das medidas. Miguel Jorge argumentou que a expectativa é que as empresaslevem algum tempo para acessar os benefícios oferecidos. Para2009, o governo trabalha com a projeção de um crescimento decerca de 10 por cento nas exportações. A expectativa é que as importações, por outro lado, passema crescer a um ritmo menor. Para o ministro, o processo derenovação do parque industrial brasileiro tende a sedesacelerar e as exportações chinesas, por outro lado, devemficar mais caras como resultado do aumento de custo de produçãono país asiático. "A necessidade de troca de máquinas e equipamentos porparte da indústria vai se reduzir", afirmou. Seu ministériotrabalha com a estimativa de um saldo comercial entre 20bilhões de reais e 30 bilhões de reais este ano. "Nossa preocupação realmente é para o ano que vem",afirmou, acrescentando que o objetivo é trabalhar para que osaldo "pelo menos" se iguale ao deste ano. DUMPING Além da política industrial, o governo conta também commedidas de simplificação das exportações, a serem anunciadas emdetalhe esta semana, e também com um acirramento da política dedefesa comercial para reduzir os desequilíbrios da balança,disse o ministro. Segundo Miguel Jorge, seu ministério quer focar nainvestigação de casos de dumping praticados por economias queexportam ao Brasil utilizando outros países comointermediários. A avaliação, de acordo com o ministro, é que produtos comobrinquedos, confecções e têxteis de origem asiática vendidos apreços abaixo do custo de produção, de origem asiática, podemestar entrando no Brasil via países vizinhos ou economias daAmérica Central. "Hoje não temos medida legais para combater isso." (Edição de Alexandre Caverni)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.