ENTREVISTA-Índia poderá exportar 3 mi t de açúcar em 11/12--ED&F

A Índia, segundo maior produtor de açúcar do mundo, poderá exportar 3 milhões de toneladas do produto no ano safra 2011/12, que se inicia em outubro, diante da possibilidade de contar com volume excedente pelo segundo ano consecutivo, disse um executivo da trading ED&F Man.

RAJENDRA JADHAV E GAUTAM SRINIVASAN, REUTERS

21 de julho de 2011 | 14h56

Qualquer exportação extra da Índia poderá ajudar a esfriar os preços no mercado depois que os baixos estoques do Brasil, maior produtor global, puxaram os valores dos futuros para níveis recordes no começo deste mês.

"Nós esperamos que o governo possa continuar com o programa de exportação, especialmente quando nós tivermos excedente no país (...) exportar 3 milhões de toneladas é possível neste ano", disse o diretor geral da ED&F Man Commodities Índia, em entrevista à Reuters nesta quinta-feira.

O país poderá ter oferta suficiente para atender a demanda doméstica devido aos estoques de passagem de 5 milhões de toneladas da atual safra e a perspectiva de boa safra no próximo ano, mesmo se embarcar 3 milhões de toneladas, disse ele.

"Nós esperamos aumento na produção para 25-25,2 milhões de toneladas no próximo ano", disse ele.

A Índia permitiu a exportação de 1 milhão de toneladas, sob o sistema geral de licenças (OGL, na sigla em inglês) neste ano para dar sustentação aos preços locais que haviam caído abaixo do custo, quando a oferta em 2010/11 superou a demanda local.

O país deve produzir 24,2 milhões de toneladas em 2010/11, enquanto o consumo deve ficar em 22 milhões de toneladas no ano.

Com a expansão das áreas de cultivo da cana para importantes Estados produtores, como Maharashtra, Uttar Pradesh e Karnataka, que estão recebendo bom volume de chuvas, devemos ter uma colheita melhor no próximo ano, disse Shaikh.

(Reportagem de Rajendra Jadhav)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSACUCARINDIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.