Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

ENTREVISTA-JBIC pode financiar 60% da compra da Namisa

O Japão pode fornecer até 60 por cento do financiamento para a Itochu Corp e cinco siderúrgicas comprarem uma parcela da mina de minério de ferro da Namisa no Brasil, disse uma autoridade do banco estatal JBIC nesta quarta-feira. Tadashi Maeda, diretor do departamento financeiro de energia e recursos naturais do Japan Bank for International Cooperation (JBIC) , afirmou à Reuters que detalhes do acordo de empréstimo ainda precisam ser definidos, mas as companhias devem completar a compra até o final de março. Em um acordo anunciado em outubro, seis companhias janponesas e a sul-coreana Posco Corp concordaram em adquirir 40 por cento da Namisa, uma unidade da Companhia Siderúrgica Nacional, por 3,12 bilhões de dólares, mas não revelou detalhes financeiros. As cinco maiores siderúrgicas do Japão, a Nippon Steel Corp, a JFE Holdings Inc, a Sumitomo Metal Industries Ltd, a Kobe Steel Ltd e a Nisshin Steel Co, mais a Itochu, quarta maior trading do país, devem contribuir com 2,6 bilhões de dólares para o acordo. A Posco deve colaborar com 505 milhões de dólares, mas não receberá fundos do JBIC, segundo Maeda. Ele não disse quanto as companhias japonesas iriam emprestar do JBIC, mas afirmou que elas estavam em negociação com bancos comerciais para fornecer os 40 por cento restantes necessários para firmar o acordo. FORTE DEMANDA Maeda disse que o apetite das companhias japonesas por recursos naturais estrangeiros permanece forte apesar da turbulência nos mercados financeiros. "Os pedidos de empréstimos estão transbordando", declarou ele, acrescentando que o banco havia recebido quase 2 trilhões de yens (22 bilhoes de dólares) no valor de solicitações para apoiar o desenvolvimento de recursos no exterior neste ano comercial, muito acima da sua verba de 1,3 trilhão de yens. O acesso a empréstimos se tornou difícil, no entanto, e a margem de expansão média para o financiamento de projetos aumentou em 100 pontos nos últimos três meses, explicou Maeda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.