ENTREVISTA-RJ pretender vender ações de empresa de saneamento

O Estado do Rio de Janeiroplaneja vender ações excedentes ao controle de sua empresa desaneamento, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), nofinal deste ano ou no início de 2009 para levantar recursos emelhorar o perfil do endividamento, afirmou à Reuters osecretário de Finanças, Joaquim Levy. Atualmente, a companhia é 100 por cento controlada peloEstado. "Estamos reformando o balanço e vamos vender ações masmanter o controle da companhia, um pouco como foi feito com aSabesp", disse. Antes desse processo, a Cedae deve vender até 500 milhõesde reais em debêntures para testar o apetite do mercado. O Rio de Janeiro também avalia a venda de bônus lastreadosnos royalties do petróleo. "Não é para tapar buracos (da Rio Previdência), mas paraotimizar o balanço", afirmou Levy, referindo-se ao fundo depensão dos funcionários públicos. O Estado produz cerca de 80por cento do petróleo nacional. A Rio Previdência tem cerca de 54 bilhões de reais emativos, a maior parte por conta dos royalties pela exploraçãode petróleo, mas o fundo também conta com ativos reais. Levyafirmou que o fundo de pensão também pode vender bônuslastreados em ativos reais no mercado de capitais local. "A garantia do petróleo é um ativo muito interessante nosdias atuais." Esta não será a primeira vez que o governo estadual tentavender ações da Cedae. Em 1998, então sob o comando de MarceloAlencar (PSDB) foram quatro tentativas de privatizar a Cedae,que esbarraram na questão do poder concedente dos serviços daempresa, disputado pelo Estado e pelo município. Em 1999, a Prefeitura do Rio também tentou vender a parteque lhe cabia na Cedae, mas novamente a Justiça impediu oprocesso. (Reportagem adicional de Daniela Machado)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.