Chris Ratcliffe/EFE
Chris Ratcliffe/EFE

Enviado da China discute comércio com autoridades americanas em Washington

Objetivo é evitar uma guerra comercial iminente e reiniciar negociações sobre o ritmo da reforma econômica chinesa

O Estado de S.Paulo

02 Março 2018 | 01h11

WASHINGTON - Liu He, enviado econômico da China, está nos Estados Unidos para entregar a mensagem de que Pequim quer reiniciar as conversas sobre uma reforma econômica e descobrir com qual autoridade do governo do presidente Donald Trump ele deve falar.

+++ China vai criar imposto para frear preço dos imóveis

Liu, que deve ser nomeado vice-primeiro-ministro da China neste mês, se encontrou com empresários e autoridades do governo americano nesta semana. Ele é um aliado próximo do presidente chinês, Xi Jinping.

Nesta quinta-feira, 1º, Liu teve uma reunião com o diretor do Conselho Nacional Econômico dos EUA, Gary Cohn, com o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, e com o represente comercial de Washington, Robert Lighthizer. Liu não se reuniu com Trump, mas ele ainda pode se encontrar com o presidente nesta sexta-feira, 2, de acordo com fontes.

+++ Com ausência dos EUA, China avança na América Latina

Um funcionário da Casa Branca disse que a conversa foi "franca e construtiva". Os americanos "ressaltaram a importância de se alcançar equilíbrio e reciprocidade no relacionamento econômico entre os dois países", segundo a autoridades. "Além de discutirem formas de garantir um comércio justo e recíproco".

De acordo com fontes que conversaram com Liu, seu objetivo é tentar evitar uma guerra comercial iminente e reiniciar negociações sobre o ritmo da reforma chinesa. Essa missão ficou mais complicada nesta quinta-feira, quando Trump anunciou planos para impor tarifas sobre as exportações de aço e alumínio.

Embora essas tarifas não visem exclusivamente a China, elas também tem o objetivo de pressionar Pequim a reduzir sua produção dessas commodities, além de diminuir as exportações para os EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.