Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Envolvidos no escândalo da Parmalat têm liminar indeferida no STF

O pedido de investigação do médico brasileiro A.C.T. e do empresário italiano A.S. feito pelas autoridades italianas terá prosseguimento no Brasil. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Nelson Jobim, negou liminar em habeas-corpus impetrado pela defesa do médico e do empresário. Eles são acusados de envolvimento em esquema de fraudes contábeis e desvio de dinheiro de empresas do Grupo Parmalat, que culminaram na falência da indústria italiana.De acordo com informações do site do STF, os dois tentaram evitar por meio de habeas-corpus o prosseguimento das investigações no Brasil solicitadas pelo Ministério Público da cidade de Parma, na Itália. O pedido das autoridades italianas foi feito em Carta Rogatória formulada com base no Tratado de Cooperação Internacional firmado entre Brasil e Itália.Inicialmente, o ministro Nelson Jobim ressalvou que, desde a promulgação da Emenda Constitucional 45/04 (Reforma do Judiciário), é do Superior Tribunal de Justiça (STJ) a competência para conceder exequatur (execução) às cartas rogatórias, assim como analisar quaisquer requisitos formais relativos ao pedido. Por essa razão, o presidente do Supremo apenas analisou se houve ou não arbitrariedade ou cerceamento aos direitos constitucionais dos acusados.Em sua decisão, o presidente do Supremo afirmou não verificar "flagrante ilegalidade na decisão que concedeu o exequatur, pois está devidamente fundamentada e respeitou os limites estabelecidos na legislação aplicável".Jobim observou ainda que "o direito à privacidade e à intimidade, embora protegidos constitucionalmente, não são absolutos. Podem sofrer limitações". Antes de negar o pedido de liminar, o ministro Nelson Jobim destacou que a defesa do médico e do empresário havia impetrado um outro habeas (HC 87513) no qual utilizou os mesmos argumentos presentes na nova ação. Verificou o presidente do STF que no caso anterior, o relator da matéria, ministro Carlos Ayres Britto, havia indeferido a liminar e solicitado informações. As informações são do site do STF.

Agencia Estado,

31 de janeiro de 2006 | 21h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.