EPE admite que não espera grande deságio em leilão

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, admitiu hoje que não tem expectativa de grande deságio no leilão da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no Rio Madeira, em Rondônia, marcado para a próxima segunda-feira. Vencerá a disputa o consórcio que se propuser a construir e operar a usina cobrando a menor tarifa pela energia. O governo estabeleceu um preço-teto de R$ 122,00 por megawatt-hora (MWh).Tolmasquim, que foi responsável pelo cálculo do preço-teto, admitiu que o preço é baixo. "Ao calcular o preço-teto, tentamos tirar o máximo de gordura", disse. Ele afirmou, porém, que mesmo com o preço baixo, há margem para os interessados tentarem reduzi-lo no leilão. "Os consórcios podem fazer otimizações financeiras e buscar acordos mais favoráveis com os fornecedores para reduzir os custos."Tolmasquim afirmou que haverá competição no leilão e que as perspectivas para a disputa são animadoras. Ele disse que o grupo que arrematar a hidrelétrica poderá ter alguma vantagem competitiva no leilão da outra usina do Rio Madeira, Jirau, previsto para o primeiro semestre de 2008. Ele salientou que a vantagem não será tão grande porque a diferença de tempo entre a construção das duas usinas será pequeno, de no máximo um ano, o que não permitirá, por exemplo, a transferência dos trabalhadores de uma usina para outra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.