EPE fecha garantia física em usina do Madeira

Hidrelétrica de Santo Antônio, que será leiloada em 29 de novembro, terá geração 2.218 MW médios garantida

Leonardo Goy, da Agência Estado,

17 de outubro de 2007 | 19h04

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) fechou em 2.218 megawatts (MW) médios a "garantia física" da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no Rio Madeira, que deve ir a leilão no dia 29 de novembro. O cálculo consta de nota técnica divulgada nesta quarta-feira, 17, no site da EPE.   A "garantia física" de uma hidrelétrica é o montante de energia que ela, seguramente, consegue fornecer em qualquer época do ano, tanto na época da cheia do rio quanto durante a seca. É uma espécie de lastro que serve como base para os contratos de venda de energia que a usina vier a celebrar.   A EPE explicou que esse valor da garantia física anunciado hoje é ligeiramente superior aos 2.150 MW médios que haviam sido estimados inicialmente pelo governo. O aumento da energia garantida da usina tem como conseqüência mais importante a redução do preço-teto da energia de Santo Antônio que será fixado pelo governo para o leilão da usina.   Como, pelos novos cálculos, a usina poderá vender mais energia do que era imaginado antes, a tarifa que será cobrada pelo futuro concessionário pode ser reduzida.   A informação coincide com a declaração dada nesta mesma tarde pelo ministro interino de Minas e Energia, Nelson Hubner, de que a tarifa máxima da usina deverá cair.   A projeção inicial do governo era de que a tarifa teto de Santo Antônio ficaria em aproximadamente R$ 130 por MW/hora. Mas esse valor - que foi, inclusive questionado pelo Tribunal de Contas da União - levava em conta a estimativa inicial de que a garantia física da usina seria de 2.150 MW médios.

Mais conteúdo sobre:
Usinas do MadeiraEPE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.