EPE: leilão de energia de reserva é adiado para julho

O governo adiou o leilão da chamada energia de reserva, gerada a partir da cana-de-açúcar para o mês de julho. A informação é do presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, em entrevista concedida hoje, quando ele apresentou os primeiros dados referentes ao balanço energético nacional do ano passado. O adiamento do leilão, segundo Tolmasquim, visa dar tempo para que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgue a regulamentação para a conexão das usinas de cana-de-açúcar ao Sistema Interligado Nacional. A geração de energia elétrica a partir da cana-de-açúcar é uma das poucas alternativas que o governo dispõe para aumentar a produção de eletricidade no curto prazo. Diversas simulações feitas por entidades do setor privado apontam para um déficit de oferta de energia especialmente em 2009 e 2010. O leilão de energia de reserva visa facilitar que as novas usinas de cana-de-açúcar que estão sendo construídas, especialmente em Goiás e em Mato Grosso, possam ser ligadas à rede básica, ampliando a oferta de energia para o País como um todo. O problema maior, porém, é que há dúvidas na legislação sobre quem assumirá o custo da ligação dessas usinas à rede básica. As usinas de cana-de-açúcar não querem arcar com o custo dessa interligação e consideram que essas despesas deveriam ser assumidas pelas distribuidoras ou pelas transmissoras de energia elétrica. A Aneel, segundo Tolmasquim, vai colher sugestões sobre quais as melhores alternativas sobre essa questão. Ele disse que a cana-de-açúcar está se mostrando como uma das fontes mais promissoras de energia elétrica, e essa tendência deverá se acelerar nos próximos anos, em paralelo ao aumento do cultivo da cana para a produção de etanol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.