EPE rebate FHC e diz que lei de concessões de usinas é de 1995

Presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) diz que não entende crítica de FHC ao fracasso da Cesp

Leonardo Goy, da Agência Estado,

27 de março de 2008 | 10h10

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, disse nesta quinta-feira, 27, que "não dá para entender" a afirmação feita na última quarta-feira pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de que o fracasso do leilão da Companhia Energética de São Paulo (Cesp) tenha sido causado pela incerteza regulatória no governo Luiz Inácio Lula da Silva. "A lei que trata do prazo das concessões das usinas é de 1995 (governo FHC). Assim, não dá para entender as razões da afirmação", disse Tolmasquim na manhã desta quinta, ao chegar ao Ministério de Minas e Energia para participar da reunião do Comitê de Monitoramento do setor. Veja também:  Indefinição de Lula inviabilizou leilão da Cesp, diz FHC Fracasso do leilão da Cesp traz à tona problema no setor  Fracasso da Cesp cria insegurança no setor, diz secretáriaNa quarta-feira, em seminário na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Fernando Henrique disse que "o leilão foi conduzido sob regras que não são tucanas. Na verdade, o problema é a estabilidade regulatória e a questão da duração das concessões (do atual governo). Não foi o governo tucano quem dificultou, foi a indefinição do governo Lula".

Tudo o que sabemos sobre:
FHCCespMaurício Tolmasquim

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.