EPE: situação energética é muito diferente da de 2001

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, afirmou hoje que a situação da infra-estrutura de energia elétrica no País é muito diferente de 2001, ao descartar a necessidade de medidas de racionamento do consumo de energia como ocorreu naquele ano. Ele admitiu que a situação hidrológica é "complicada", mas destacou que estamos ainda na primeira semana do período chuvoso do País.Em entrevista após a reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, Tolmasquim citou dois fatores que considera fundamentais para marcar a diferença entre o atual momento e 2001. O primeiro é que o País hoje tem uma malha de transmissão de energia elétrica muito mais ampla que há sete anos. Segundo ele, isso permite deslocar fluxos de energia de uma região para outra, algo que não poderia ser feito em 2001.O segundo fator é a existência de um parque de termelétricas que, se acionado em sua totalidade, poderá gerar até 4 mil MW de energia. "Nossa decisão é ir colocando pouco a pouco esse parque para funcionar", disse ele, destacando que em 2001 foram necessárias medidas de restrição de consumo porque não havia como gerar energia alternativa. Ele ressaltou também que acionar as térmicas não é um sinal de problema, mas sim de "saúde do sistema, porque, se elas existem, é para serem usadas". "Seria um monumento à burrice deixar tudo aquilo (o parque) sem funcionamento se há necessidade", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.