Equador assinará carta de intenções para obter US$ 240 mi do FMI

Na segunda-feira, o presidente equatoriano Gustavo Noboa vai assinar uma carta de intenção para preparar o terreno para um novo empréstimo "standby" do Fundo Monetário Internacional, disse o ministro da Economia do país, Francisco Arosemena. Embora o FMI tenha se mantido em silêncio sobre o assunto, Arosemena falou que assim que Noboa assinar a carta, o conselho do FMI deve aprovar o acordo no final deste mês ou no começo de outubro. O ministro da Economia reiterou também que o Equador vai pagar aos credores do Clube de Paris US$ 34 milhões para atualizar seus pagamentos uma das exigências do FMI -, e deixará o fundo com tempo suficiente para dar sinal verde para o novo pacto. O crédito standby de US$ 240 milhões vem sendo bloqueado há algum tempo devido aos atrasos na implementação de medidas que atendam às condições exigidas pelo FMI para dar garantia ao empréstimo. Entre estes, está a exigência de um superávit primário de 6,4% este ano. Arosemena propôs um superávit de 6,9%. Contudo, aumentos de salário não incorporados ao orçamento e outros gastos significam que o Equador precisa cortar pelo menos US$ 500 milhões para atingir sua meta orçamentária, além de ter de reduzir a inflação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.