Equador tentará recomprar dívida 'ilegal' em janeiro, diz Correa

O governo do Equador disse neste sábado que vai apresentar no início de janeiro uma proposta de recompra do bônus global aos detentores destes papéis com um grande desconto de seu valor nominal, como parte da estratégia do presidente Rafael Correa para não pagar a dívida que considera ilegal. Correa declarou moratória seletiva dos bônus Global 2012 ao suspender o pagamento de 30,6 milhões de dólares que venceu em 15 de dezembro, argumentando que a contração deste empréstimo foi realizada de forma negativa para os interesses de seu país. Enquanto isto, as negociações dos bônus Global 2015 se encontram em "moratória técnica". O prazo para o governo decidir se irá suspender o pagamento vence em 15 de janeiro. "Vamos realizar uma proposta no início de janeiro de recompra da dívida, mas obviamente a um valor mais barato do que o valor nominal", disse Correa em programa semanal de rádio e televisão. "Eles ganharam muito dinheiro, esses especuladores financeiros, com a nossa dívida, que além disso é de origem ilícita e vamos fazer uma proposta para recomprar esses bônus, muito dos quais têm dado grandes rendimentos a esses especuladores", acrescentou. A decisão de declarar moratória se sustentou em uma auditoria aplicada aos passivos financeiros do país, de uns 10 bilhões de dólares, que determinou indícios de ilegalidade e ilegitimidade nas negociações da dívida, incluindo acordos multilaterais e bilaterais. Correa sinalizou que se os detentores não aceitarem a proposta do Equador, ele pedirá na Justiça a anulação da dívida comercial, mas não especificou a qual tribunal apresentará suas reclamações. (Reportagem de Alexandra Valencia)

REUTERS

27 Dezembro 2008 | 15h28

Mais conteúdo sobre:
MACRO EQUADOR DIVIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.