Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Equipe de Obama vê recuperação este ano, mas há obstáculos

Presidente discutirá esforços para recuperar economia em entrevista a jornalistas em horário nobre na terça

John O'Callaghan, Reuters

22 de março de 2009 | 13h22

O governo Obama está "incrivelmente confiante" de que a economia dos Estados Unidos vai se recuperar dentro de um ano, afirmou Christina Romer, chefe do grupo de conselheiros econômicos da Casa Branca, ao programa Fox News Sunday neste domingo, 22, antes de uma semana decisiva em esforços para estimular a atividade e tornar crível o programa para impulsionar o país. 

Os passos do presidente Barack Obama para reverter a profunda recessão e reestruturar o enfraquecido sistema financeiro dos EUA têm implicações globais, à medida que ele se prepara para o encontro de líderes das principais nações desenvolvidas e em desenvolvimento (G20) no começo de abril.

Mas os planos de reforma de Obama e o grande gasto previsto para estimular a maior economia do mundo e limpar pelo menos 1 trilhão de dólares em ativos "tóxicos" dos balanços de bancos enfrentam obstáculos de alguns congressistas e corporações.

Em duas partes importantes da agenda, espera-se que o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, revele os tão aguardados detalhes do plano de ajuda a bancos na segunda-feira e, na quinta-feira, trate de propostas para reformar a regulação do sistema financeiro numa audiência no Congresso.

Um dos alvos da estratégia para limpar o sistema financeiro será atrair investidores privados com abundantes empréstimos e generosos termos para comprar hipotecas ruins e outros ativos tóxicos, disse à Reuters uma fonte familiar ao plano.

Obama, cujas altas taxas de aprovação estão sendo testadas em seu terceiro mês como presidente, à medida que a irritação pública cresce com os bônus de empresas ajudadas, discutirá os esforços para recuperar a economia em uma entrevista a jornalistas em horário nobre na terça-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
criseObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.