Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Erenice: governo quer manter cronograma para Petrobras

A ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, disse hoje que a intenção do governo é manter o cronograma da capitalização da Petrobras. "A intenção é manter o cronograma e nós estamos nos empenhando nesse sentido", disse Erenice, ao chegar para abertura do 2º Fórum Brasil Conectado. Por conta disso, ela descartou a contratação de uma terceira certificadora para determinar o preço do barril do petróleo. "Isso significa, é óbvio, não manter o cronograma. Então, nesse momento, nós não estamos trabalhando com essa hipótese."

KARLA MENDES, Agencia Estado

24 de agosto de 2010 | 11h34

A ministra reconheceu que, eventualmente, pode haver alguma "complicação", mas reforçou que a ideia é manter o cronograma. "Estamos trabalhando, analisando os dados que foram trazidos tanto pela certificadora da ANP (Agência Nacional do Petróleo) quanto pela certificadora da Petrobras. A ideia é chegar a um consenso", disse.

Com relação à data em que será arbitrado o preço do barril do petróleo das reservas de cinco bilhões que serão utilizadas na cessão onerosa, a ministra disse que, "assim que tiver uma posição técnica sustentável, madura, aí, a gente leva para ele (presidente Lula)". "Vamos tentar fechar esta semana, porque, se avançar muito, a gente não consegue cumprir o cronograma", completou a ministra.

Erenice disse ainda que não há definição sobre a data da reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que vai aprovar o contrato da cessão onerosa e o valor do preço do barril. A ministra evitou comentar a possibilidade de o preço do barril de petróleo da cessão onerosa ficar acima de US$ 5 a US$ 6. "Qualquer manifestação neste momento seria objeto de especulação. Teremos que analisar os dados técnicos, ver quais são as dúvidas, tirar as dúvidas e chegar a uma conclusão."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.