Werther Santana/Estadão - 30/03/2012
Werther Santana/Estadão - 30/03/2012

Ernesto Zarzur, fundador da Eztec, morre aos 87 anos

Empresário criou a incorporadora em 1979 para poder trabalhar junto com os filhos

Beth Moreira e João Carlos Moreira, Especial para o Estadão, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2021 | 08h36

Ernesto Zarzur, fundador e presidente do conselho de administração da incorporadora Eztec, morreu neste domingo, 12, aos 87 anos.  Filho de imigrantes libaneses, “Seu” Ernesto, como era carinhosamente chamado, começou a vida profissional, na década de 1950, como corretor de imóveis na empresa de seu irmão, a Construtora Zarzur & Kogan.

Ali, descobriu sua vocação. “Meu irmão me pagava um salário, mas eu preferia ganhar comissão sobre as vendas que fazia”, disse ao Estadão em 2018. Seu primeiro grande empreendimento foi erguido em 1962, na Rua Teodoro Sampaio, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo.  

O Edifício Marcelo levou o nome do primeiro dos seis filhos que teve com a esposa, Esther, e confirmou a vocação de Zarzur para o negócio, vendendo sem dificuldades as 75 unidades disponíveis. Também enveredou por outro ramo: abriu a concessionária Vilamar, da GM, que entre 1968 e 1980 foi uma das principais revendedoras da marca, com 18 a 20 carros vendidos por dia.

Zarzur fechou a loja quando vendeu o imóvel onde ela estava localizada, na Vila Mariana. Isso ocorreu pouco depois da criação da Eztec, em 1979, fruto de uma decisão estritamente familiar. “Meus filhos já estavam se formando engenheiros, achei importante ter a empresa para trabalhar com eles”, disse o empresário.

A fundação da Eztec abriu novos horizontes na vida do empreendedor, que passou a mirar a construção de prédios em bairros menos centrais. “Eu comprava qualquer terreno até 10 quilômetros de distância da Praça da Sé”, lembrou. Com essa estratégia, levou empreendimentos para Freguesia do Ó, na zona norte, e Belenzinho, zona leste, além de várias outras localidades. 

Segundo Zarzur, eram bairros com terrenos a preços convidativos, que impactavam pouco no custo da construção e na comercialização dos apartamentos. Foi assim que a Eztec construiu em todas as regiões da capital e em municípios da Grande São Paulo, além de São José dos Campos, Santos e Campos do Jordão. 

Zarzur era conhecido pela simpatia e carisma. Ao chegar à sede da empresa para trabalhar, costumava percorrer as salas cumprimentando os funcionários com um beijo no rosto. Dizia a todos que um dos seus maiores objetivos era criar um legado para a cidade que tanto amava, construindo edifícios que pudessem se transformar em cartões postais.

Ele faleceu de causas naturais, aos cuidados da esposa, Esther, com quem viveu durante 65 anos, e os filhos Flávio, Silvio, Silvana, Marcelo, Marcos e Anna Lúcia. Deixa ainda 17 netos e 8 bisnetos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.