Erros em balanços podem se repetir no Brasil, diz Trevisan

O auditor Antoninho Marmo Trevisan, da Trevisan & Associados, disse que as fraudes ocorridas nos balanços de empresas americanas podem se repetir no Brasil. Em entrevista ao programa Conta Corrente, da GloboNews, na noite desta segunda-feira, Trevisan lembrou que esse tipo de problema já ocorreu também no Japão e nos Tigres Asiáticos. "Globalização é globalização. Quando você tem uma matriz nos Estados Unidos e uma filial no Brasil, o mesmo auditor que audita lá, audita aqui", ponderou. "Portanto, essa contaminação faz parte da natureza de todo e qualquer alinhamento. Entendo, como auditor, que muitas dessas práticas também foram adotadas aqui nas empresas brasileiras. É preciso apreciar os primeiros balanços que vão começar a ser publicados agora no mês de julho."Antoninho Trevisan assinalou que o próprio ministro da Fazenda, Pedro Malan, já participou do que ele chama de "maquilagem de balanços" das empresas por causa da desvalorização cambial. "Tanto a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) quanto o Banco Central há dois anos cuidaram para que a contabilidade brasileira também fosse perdendo a confiança", afirmou. "Quando nós tivemos a desvalorização cambial, para que os balanços das companhias abertas e dos bancos não apresentassem prejuízo, o ministro Malan acabou autorizando que as perdas com a desvalorização pudessem ser diluídas em quatro anos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.