Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Escola começou com aulas na sala de casa

Wizard teve começo humilde nos anos 1980

Cátia Luz, Impresso

16 de abril de 2017 | 05h00

O projeto de incentivar esportes e o modo de vida saudável combina com o ideário promovido por Carlos Wizard Martins. Membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, o empresário curitibano de 60 anos não fuma, não consome bebidas alcoólicas e nem mesmo café. Colecionador de frases, escreveu vários livros de autoajuda, entre eles Desperte o milionário que há em você.

Levado pelo pai para a religião, sob o argumento de que havia muita maldade no mundo e que era preciso ter princípios, Wizard foi para os Estados Unidos, aos 17 anos conhecer os métodos de ensino de idiomas do maior centro mórmon do país, a Brigham Young University, em Salt Lake City, no estado de Utah.

Após servir como missionário mórmon em Portugal e cursar a faculdade de ciências da computação em Utah, Wizard voltou ao Brasil no final dos anos 1980, como executivo de uma empresa de papel e celulose, em Campinas.

Começou então a dar aulas particulares de inglês para os colegas do trabalho na sala da sua casa depois do expediente. Aos poucos, as turmas começaram a crescer. Em 1987, contrariando os conselhos dos amigos, Martins decidiu deixar o emprego e abrir a Wizard.

Ao longo de mais de 20 anos, e depois de aquisições em série, o professor de inglês transformou o grupo Multi na principal companhia consolidadora do setor até então.

Em família. Casado há mais de 30 anos com Vanda, Wizard tem seis filhos. Os gêmeos Charles e Lincoln estão à frente da Sforza, juntamente com a diretora de operações Maria Carolina Marcondes. Lincoln tem o cargo de presidente da holding e Charles é responsável por avaliar novos negócios. Wizard preside o conselho de administração, mas, na prática, em reuniões familiares toda segunda feira, o empresário, tratado como “Seu Carlos” pelos filhos, vai além de seu papel estratégico e se envolve nas questões diárias e operacionais das empresas investidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.