Eslováquia fica sem petróleo devido à crise com oleoduto

O fornecimento de petróleo à Eslováquia através do trecho sul do oleoduto Druzhba continua interrompido, informou nesta terça-feira Stefan Czucz, chefe da empresa Transpetrol, administradora eslovaca do duto. A distribuição de petróleo foi suspensa na segunda-feira à noite pouco antes das 20h (16h em Brasília)."A situação não variou em relação a segunda-feira à noite", confirmou Kristina Felova, porta-voz da refinaria eslovaca Slovnaft, principal fornecedor de hidrocarbonetos no país.O governo bielo-russo decidiu, na semana passada, impor tarifas de forma retroativa ao petróleo russo que passa pelo seu território. Foi uma reação à iniciativa russa de dobrar o preço do gás fornecido ao país e criar tarifas de exportação para o petróleo.Porém, a companhia russa de transporte de petróleo Transneft denunciou que a Bielo-Rússia iniciou, no sábado, a extração ilegal de petróleo do oleoduto Druzhba, e por isso se viu obrigada a suspender o bombeamento.A refinaria alemã PCK, em Schwedt, continua sem receber petróleo russo nem explicações pela interrupção do fornecimento.Um porta-voz da empresa comunicou nesta terça-feira que, desde o início do corte, por volta das 6h (3h de Brasília) de segunda, "não houve uma comunicação oficial por parte da sociedade que administra o oleoduto".O trecho sul foi atingido logo após a interrupção do fornecimento do trecho norte, que atravessa a Bielo-Rússia em direção à Polônia e à Alemanha. A República Tcheca tem acesso ao petróleo do Mar do Norte através do oleoduto de Ingolstadt (Alemanha).A Agência Internacional de Energia (IEA) afirmou logo após a suspensão no fornecimento que este acontecimento não afeta as reservas petrolíferas européias em um primeiro momento, mas se faz necessária uma rápida negociação entre os governos dos dois países.A IEA, que atua como conselheira política para os 26 países mais industrializados do mundo, afirmou que está em contato com as nações afetadas pela disputa e monitorando de perto a situação nos principais países beneficiados pelo Druzhba - Aalemanha, Polônia e Ucrânia.NegociaçõesUma delegação governamental bielo-russa comandada pelo vice-primeiro-ministro Andrei Kobiakov chegou na terça-feira a Moscou para uma série de consultas com o governo local, com o objetivo de tentar resolver a disputa.A chegada da delegação foi confirmada pelo serviço de imprensa da embaixada bielo-russa em Moscou. O vice-ministro de Economia da Bielo-Rússia, Vladimir Naidunov, já havia chegado na segunda.A União Européia teme que se repita uma crise como a de janeiro do ano passado, quando a Rússia interrompeu o fornecimento de gás devido a um desacordo sobre preços com a Ucrânia.A Rússia exporta pelos oleodutos bielo-russos cerca de 100 milhões de toneladas anuais de petróleo. Do total, 70% vão para a Polônia, Alemanha e Ucrânia. Outros 30% seguem rumo aos países bálticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.