Espanha diz que ajuda a bancos elevará déficit do país

O governo da Espanha queixou-se que os esforços para sanear o sistema bancário do país aumentarão o déficit orçamentário e elevarão a relação dívida/PIB do país. A avaliação vem à tona em um momento no qual aumentam os temores em relação à solvência das contas espanholas, o que eleva os custos de empréstimos para a Espanha e deixa o governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy mais próximo de ter de pedir ajuda financeira à União Europeia (UE).

EQUIPE AE, Agencia Estado

30 de setembro de 2012 | 19h17

De acordo com a proposta de orçamento para 2013, apresentada ontem, a ajuda aos bancos elevará o déficit orçamentário do governo para 7,4% do Produto Interno B''ruto (PIB). Ao mesmo tempo, o endividamento espanhol deverá alcançar 85,3% do PIB em 2012 e 90,5% do PIB em 2013. A estimativa anterior era de que a relação dívida/PIB da Espanha ficaria em 80% este ano.

Neste domingo, a direção do Banco Popular Español, maior instituição financeira listada em bolsa a fracassar nos testes de estresse realizados no sistema bancário da Espanha, aprovou um plano de venda de até 2,5 bilhões de euros em novas ações para investidores para evitar ter de pedir ajuda à UE. Segundo o teste de estresse, o Banco Popular precisa de 3,2 bilhões de euros em capital adicional. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhacriseajuda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.