Espanha estuda congelar pensões e aumentar idade

Vice-primeira-ministra nega mudança na aposentadoria, mas fontes dizem que restam poucas alternativas para Rajoy reduzir gastos

MADRI, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2012 | 03h09

A Espanha está considerando congelar pensões e acelerar um aumento planejado na idade de aposentadoria para cortar gastos e atingir as condições para conseguir um esperado pacote internacional de ajuda soberana, afirmaram fontes com conhecimento do assunto.

As medidas economizariam no mínimo 4 bilhões por ano, cumprindo as recomendações de política da União Europeia (UE) lançadas em maio.

O aumento da idade de aposentadoria de 65 anos para 67 anos está acertado, segundo as fontes. A eliminação do aumento de pensões ligado à inflação anual ainda está sendo avaliada.

A Espanha, o novo epicentro da crise da dívida da zona do euro depois de Grécia, Irlanda e Portugal, está hesitando em pedir ajuda externa para administrar o alto déficit público e o aumento da dívida. Seus custos de empréstimos caíram na quinta-feira num leilão de títulos de dez anos, mas o alívio pode ter pouca duração.

As novas ações no setor previdenciário, que podem ser anunciadas já na semana que vem com o orçamento de 2013, enviariam um forte sinal aos investidores de que a Espanha está seriamente comprometida em implementar reformas estruturais que foram atrasadas por causa de custo político.

Poucas opções. O primeiro-ministro Mariano Rajoy, que foi forçado no começo deste ano a quebrar promessas de campanha como não aumentar impostos, afirmou repetidas vezes que não tocará nas pensões, mas tem poucas opções restantes para diminuir o orçamento depois dos drásticos cortes de custos.

Ele amenizou o tom na semana passada e disse que isso seria "a última coisa" que ele faria. Na terça-feira, a vice-primeira-ministra, Soraya Sáenz de Santamaría, afirmou que o governo não estava implementando nenhum corte nas pensões "por enquanto". Ontem, ela voltou a negar medidas nesse sentido.

Outras fontes disseram que os comentários de Rajoy são um sinal de que sua posição está mudando. "Ele acabou de dizer que não cortará as pensões. Mas você ouviu mais alguma coisa? Nós sabemos que há várias formas de cortes. Uma é simplesmente deixá-las estáveis em relação à inflação", disse uma das fontes.

Uma segunda fonte disse que a aceleração na mudança na idade de aposentadoria é apoiada pelo governo espanhol, enquanto uma terceira fonte, que discutiu o assunto com autoridades espanholas, disse que o congelamento é esperado.

Sustentabilidade. Embora o anúncio possa ser feito na semana que vem, quando o governo aprovar o primeiro esboço do orçamento de 2013, analistas políticos dizem que Rajoy pode ser levado a esperar até as eleições regionais em sua terra natal, Galícia. O momento de qualquer pedido de ajuda europeia está nas mãos de Rajoy. Alguns sugerem que ele pode tomar tal ação juntamente com o pacote orçamentário visando a uma revisão de crédito pela agência de classificação Moody's, prevista para o fim de setembro, que deve, caso contrário, rebaixar a dívida do país.

No entanto, em Bruxelas, autoridades da UE próximas à discussão disseram não esperar que Madri procure um programa de assistência antes das eleições regionais de 21 de outubro. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.