Espanha limitará aposentadoria precoce como parte de medidas

O primeiro-ministro afirmou ainda que as reformas, que serão reveladas na quinta-feira, incluirão a criação de uma nova autoridade fiscal e programas de treinamento profissional

André Lachini, da Agência Estado,

25 de setembro de 2012 | 20h11

MADRI - O governo da Espanha imporá restrições a manobras que permitem que as pessoas se aposentem mais cedo que a idade atualmente autorizada para deixar o serviço, 65 anos, como parte um pacote de reformas que buscam a redução da dívida espanhola e a reativação da economia, afirmou nesta terça-feira o primeiro-ministro Mariano Rajoy. Ele afirmou que as reformas, que serão reveladas na quinta-feira, incluirão a criação de uma nova autoridade fiscal e programas de treinamento profissional. Rajoy deu as declarações em entrevista exclusiva aos editores do Wall Street Journal e da agência Dow Jones na capital espanhola.

"A idade para se aposentar na Espanha, atualmente, é razoável, mas só se for cumprida", disse Rajoy. "Então vamos ter que lidar com essa questão da aposentadoria precoce". Rajoy afirma que o governo não eliminará a possibilidade de aposentadoria precoce, mas limitará muito a capacidade de qualquer indivíduo deixar de trabalhar aos 60 anos, como muitos espanhóis fazem atualmente.

Questionado sobre se seu governo pedirá um pacote de resgate a um dos dois mecanismos da União Europeia, Rajoy respondeu que "no momento, eu não posso te dizer". Rajoy acrescentou, contudo, que se as taxas de juros da dívida espanhola forem "muito altas e por muito tempo" ao ponto de prejudicarem o governo e o perfil da dívida, "eu posso garantir 100% que pedirei o empréstimo". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.