Espanha pode alterar sistema previdenciário a partir de 2019

Os pagamentos levariam em conta a expectativa de vida e os ciclos econômicos, sem elevar a idade de aposentadoria

MADRI, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2013 | 02h06

O governo da Espanha estuda modificar o sistema público de pensão, a partir de 2019, atrelando os pagamentos à expectativa de vida e a ciclos econômicos, sem elevar a idade de aposentadoria, hoje em 67 anos. A informação foi divulgada ontem pela ministra do Emprego e Previdência Social, Fátima Báñez.

A proposta apresentada pelo governo para os sindicatos deixaria de corrigir as pensões de acordo com a inflação. Em vez disso, os pagamentos seriam atrelados a uma fórmula mais complexa, que também leva em conta a receita do sistema.

De acordo com a proposta, a ideia é que no ano da aposentadoria do trabalhador se leve em conta a expectativa de vida que seria multiplicada por um coeficiente corrigindo a mesma. Essa nova fórmula seria revisada a cada cinco anos e não afetaria retroativamente aqueles que já estão aposentados.

A Espanha está sob pressão da União Europeia para reformular seu sistema de pensão até o fim do ano, para ajudar a corrigir desequilíbrios na economia num momento em que o alto desemprego provoca tensão sem precedentes sobre fundos de seguridade social.

Apesar de mudanças recentes restringindo a aposentadoria antecipada, o envelhecimento da população e a queda da taxa de natalidade também preocupam a Espanha.

Na avaliação da ministra do Emprego, integrante do conservador Partido Popular, o sistema de pensão espanhol continuará sendo público e não há a menor intenção do Executivo em privatizá-lo.

Indústria. O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial da Espanha subiu para 51,1 em agosto, de 49,8 em julho, de acordo com dados divulgados pela Markit. A leitura de agosto marcou a primeira vez, desde abril de 2011, que o setor mostrou expansão.

Resultados acima de 50 indicam crescimento no setor, enquanto leituras abaixo desta marca mostram contração.

De acordo com Andrew Harker, economista sênior da Markit, e autor do relatório, as notícias do setor manufatureiro espanhol melhoraram novamente em agosto, com os dados contidos no PMI, destacando a primeira expansão da produção em 28 meses. "Como tem sido o caso nos últimos meses, as exportações foram a principal fonte de impulso positivo uma vez que o crescimento acelerou acentuadamente", diz Harker.

De acordo com o economista, as empresas parecem ainda duvidar da sustentabilidade das melhorias em curso, "optando por aumentar a produção apenas modestamente e usando, muitas vezes, estoques existentes para atender às exigências de novas encomendas", disse Harker. / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.