Espanha precisa de medidas para conter déficit, diz FMI

Segundo o fundo, cronograma de medidas adotadas pelo país continua 'desafiador e urgente'

Álvaro Campos, da Agência Estado,

29 de julho de 2011 | 15h41

A Espanha tomou medidas decisivas para resolver seus problemas econômicos, mas esforços ainda maiores são urgentemente necessários, segundo afirmou nesta sexta-feira, 29, o Fundo Monetário Internacional (FMI) em seu mais recente relatório sobre o país. "O cronograma de medidas continua desafiador e urgente - não pode haver pausas no ímpeto da reforma", diz o FMI.

Essencialmente, o FMI afirma que "ações adicionais" são necessárias para fortalecer as contas do setor público, porque as metas para o déficit orçamentário do governo são baseadas em projeções "otimistas" para o crescimento econômico do país. O FMI acrescentou que existe o risco dos governos regionais da Espanha não alcançarem as metas de redução do déficit.

O FMI prevê que o PIB da Espanha crescerá 0,8% este ano e 1,6% em 2012. O FMI avalia que o déficit orçamentário do país cairá para 6,2% do PIB em 2011 e 5,1% no ano que vem. Em 2010, o déficit foi de pouco mais de 9% do PIB. Do outro lado, o governo espanhol acredita que o PIB crescerá 1,3% este ano e 2,3% em 2012. Já o déficit cairia para 6% do PIB em 2011 e 4,4% no ano que vem. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIEspanhadéficit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.