Espanhóis manterão negócios com o Brasil, diz Malan

O ministro da Fazenda, Pedro Malan, avaliou como "muito positivo" o encontro que manteve hoje com diretores do Santander e BBVA na sede do Banco Central espanhol, em Madri. "Os bancos espanhóis afirmaram que pretendem manter o atual nível de negócios com o Brasil", disse.O ministro fez uma apresentação sobre os aspectos internos do País e avaliou o ambiente internacional. Segundo Malan, já se começa a observar "uma gradual melhora do acesso das empresas brasileiras aos créditos externos". Contudo, ele ponderou que o governo brasileiro não tem a expectativa de que esta recuperação ocorra em "24 ou 48 horas". BalançaO ministro da Fazenda disse que considera a projeção de um superávit da balança comercial para 2002 de "pelo menos US$ 7 bilhões" como "razoável". "Não é uma ciência exata, está associada a fatores de incerteza, como preço de petróleo e a instabilidade político-militar que estamos vendo no mundo", disse. "Mas acreditamos que pelo menos US$ 7 bilhões sejam um resultado razoável."O ministro ressaltou que está ocorrendo no Brasil um processo de mudança estrutural no balanço de pagamentos. "Isso está aparecendo agora, houve um grande aumento da produtividade do setor de exportação e de produção doméstica, competitiva com as importações, como proporção do PIB do País", disse. Segundo ele, não há razões para que esse ajuste estrutural deixe de ter resultados positivos nos próximos anos. O ministro salientou que o déficit em conta corrente em 2002 será quase a metade do que o registrado em 1998. IraqueMalan disse esperar que não ocorra uma ação unilateral contra o Iraque, uma hipótese que ele consideraria "lastimável". "Espero que esse cenário não ocorra para o bem da humanidade", disse. "Se ocorrer, terá implicações não só para nós, como para todo mundo."Questionado sobre o impacto que o conflito poderia ter sobre os preços dos combustíveis no Brasil, o ministro disse que prefere "não especular" sobre as consequências de um conflito. "Eu prefiro depositar minha esperança de que não haja este conflito, há muita gente trabalhando para que não ocorra uma ação unilateral nessa área."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.