Espanhol Santander tem queda de 4,8% no lucro no 1º tri

Maior banco da zona do euro em valor de mercado obteve ganho de US$ 3,1 bilhões no período, abaixo da estimativa dos analistas

Danielle Chaves, da Agência Estado,

28 de abril de 2011 | 07h58

O espanhol Banco Santander informou que o desempenho fraco na Europa contrabalançou o forte crescimento da receita na América Latina, provocando queda de 4,8% no lucro no primeiro trimestre deste ano. O maior banco da zona do euro em valor de mercado obteve ganho de 2,11 bilhões de euros (US$ 3,1 bilhões) no período, em comparação com 2,22 bilhões de euros nos três primeiros meses de 2010 e abaixo da estimativa dos analistas de 2,17 bilhões de euros.

Às 7h40 (de Brasília), as ações do Santander subiam 1,40% na Espanha. O resultado foi pressionado por aumentos de impostos e de custos na América Latina. Os custos também cresceram na unidade de atacado, que o Santander disse ter lançado novos produtos e investido em tecnologia.

A receita total do Santander cresceu 5,8%, para 10,85 bilhões de euros. A renda líquida de juros - principal fonte de receita do Santander - subiu para 7,51 bilhões de euros, uma alta de 5,5% sobre o primeiro trimestre do ano passado, e superou as projeções dos analistas de 7,35 bilhões de euros.

O banco afirmou que está vendo uma melhora na qualidade do crédito, o que permitiu que o grupo reduzisse suas provisões para empréstimos ruins ao menor nível desde o primeiro trimestre de 2009. Mesmo assim, o volume de empréstimos ruins aumentou levemente no primeiro trimestre, para 3,61% do crédito total, de 3,34% no mesmo período do ano passado.

A América Latina continuou sendo o maior contribuinte para o lucro do Santander, onde teve alta de 27%, para 1,27 bilhão de euros. No entanto, o banco alertou que o crescimento econômico da região mostrou sinais de "perda de força" no último trimestre de 2010 - uma tendência que deve continuar neste ano.

Na Europa continental, o lucro do Santander caiu 14%, para 1,05 bilhão de euros, principalmente em razão dos fracos ganhos na Espanha e em Portugal. A unidade de financiamento ao consumo do banco teve forte crescimento, depois de alguns anos difíceis.

No Reino Unido, os maiores custos de financiamento e regulatórios prejudicaram o lucro no primeiro trimestre, mas os empréstimos ruins diminuíram fortemente, enquanto os depósitos dos clientes aumentaram. O lucro líquido da unidade foi de 419 milhões de libras (US$ 699 milhões), em comparação com 428 milhões de libras no primeiro trimestre de 2010. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.