Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Especialista destaca usos e funções da tecnologia

O gerente de produtos da Schneider Eletric, empresa que fabrica produtos de automação, Rogério Ribeiro, diz que não fala mais de casa do futuro. "Porque já dá para ter isso hoje", acrescenta. "Mais tecnologia dentro de casa facilita a vida."

O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2014 | 02h17

Conforto, segurança e economia formam o tripé que, segundo Ribeiro, o morador mais quer em sua residência. Na economia contínua, o importante é gerenciar os recursos para saber quanto de energia se gasta.

Ele destaca a importância de "reduzir o consumo de água, luz e gás". E cita a função de medidores de água e do sistema de tratamento de efluentes. "Controlam a água dentro do prédio para ver quanto se gasta da rede e quanto é reutilizado."

Há medidores para consumo geral, iluminação, ar condicionado, etc. Na integração se busca funcionalidade, com sensores e dispositivos que trabalham por si só. "A internet das coisas é a maior tendência. Sua definição é: em qualquer lugar, a qualquer tempo e com qualquer dispositivo", diz.

Nas casas inteligentes, é possível aumentar o volume do som e da TV, mudar de canal por comando de voz ou "só mexendo o braço", afirma Ribeiro.

Já há sistemas que, acompanhando o sol, abrem cortinas ou só mexem as aletas. "Os sensores regulam a luz natural." Existe um tipo de vidro que, energizado, fica transparente ou opaco. O próximo passo, ele crê, será o controle sobre quanta luz atravessa o vidro em diferentes horários do dia.

Com dispositivo no pulso, dá para monitorar as funções vitais, como pressão e batimentos cardíacos. "Se cair, já aciona a ambulância ou o médico", diz.

Projetos. Ribeiro conta que a Schneider fez para a Prefeitura, em 2011, projeto para os parques da Luz, do Carmo e Ibirapuera. "Com sensores de iluminação nos banheiros, foi possível reduzir 40% da energia gasta nos parques", explica. "Só com sensores. De luminosidade e de presença. O mesmo produto faz as duas funções."

Em Santa Catarina, a Schneider fez projeto de automação para um condomínio de 14 torres. "Todos os 330 apartamentos foram automatizados", afirma. "Estamos entregando agora a sexta torre residencial."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.