Especialistas em economia voltam a ficar otimistas, diz pesquisa

Índice medido pela Fecomercio e OEB aponta que economistas já enxergam um cenário positivo no Brasil

AE,

25 de setembro de 2009 | 16h36

O Índice de Sentimento dos Especialistas em Economia (ISE), medido pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) e pela Ordem dos Economistas do Brasil (OEB), indica que o otimismo voltou ao mercado. O ISE de setembro atingiu 108,1 pontos, alta de 10,1% em relação a agosto e de 9,5% em comparação ao mesmo mês do ano passado.

 

De acordo com a Fecomercio, a alta mostra que, junto com a confiança do consumidor, o cenário negativo desenhado pelo mercado já passou. Dos nove itens que compõem o ISE, sete ficaram acima dos 100 pontos em setembro: Nível de Atividade Interna - PIB (164,5; aumento de 1,2%); Cenário Internacional (155,4; queda de 3,05%); Nível de Emprego (123,8; aumento de 7,5%); Oferta de Crédito ao Consumidor (121,5; aumento de 11,5%); Taxa de Câmbio (105,5; aumento de 6,13%); Salários Reais (104; aumento de 18,9%) e; Taxa de Inflação (100,3; aumento de 19,7%). Os quatro últimos já estavam no patamar otimista no mês passado.

 

Apesar do otimismo, alguns pontos ainda são preocupantes para os economistas. Dentre eles, o item Taxa de Juros, que mesmo tendo um aumento de 56 pontos em agosto para 84,1 em setembro ainda está abaixo dos 100 pontos. Segundo os entrevistados, os juros ainda são inadequados para a economia, visto que se situam acima da média mundial e acabam influenciando negativamente câmbio e produção. Da mesma forma, o item Gastos Públicos é considerado de extremo pessimismo, com apenas 13,9 pontos.

 

O ISE varia de 0 (pessimismo total) a 200 (otimismo total) e envolve pesquisa mensal com cerca de 100 economistas de todo País.

Tudo o que sabemos sobre:
Fecomercioeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.