Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Especialistas estão céticos com medidas para exportação

Especialistas da área de comércio exterior receberam com ceticismo as declarações do ministro do Desenvolvimento, Sérgio Amaral, que anunciou que o Proex-Financiamento passará a atender exclusivamente pequenas e médias empresas. O coordenador da Assessoria Técnica da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), Jovelino Pires, acredita que a iniciativa é "louvável", mas não vai fazer a menor diferença. "Em 2003, o governo manterá o orçamento do Proex igual ao deste ano, o que, em dólares, significará uma redução equivalente à desvalorização deste ano", diz Pires.Além disso, ele calcula que cerca de R$ 800 milhões do orçamento de R$ 1,24 bilhão do ano que vem já esteja comprometido. "Portanto, vão sobrar cerca de R$ 400 milhões para pequenas e médias empresas, que é mais ou menos o mesmo valor deste ano", disse. "Isso é insuficiente para impulsionar as exportações das pequenas e micro."O presidente do Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (Simpi), Joseph Couri, espera que as novas regras levem os bancos a direcionar o dinheiro para essas empresas, mas acha isso difícil.Até 31 de outubro, o Proex atendeu 982 empresas, sendo 665 pequenas e médias. O valor total desembolsado foi de R$ 765 4 milhões. O orçamento do Banco do Brasil para a linha, em 2002, é de cerca de R$ 1 bilhão. O BNDES, outra fonte de financiamento desembolsou, neste ano US$ 3,386 bilhões para exportação. Mais da metade, US$ 1,776 bilhão, foi para a Embraer e só US$ 64,5 milhões foram para pequenas e médias empresas.Ao anunciar a medida, Amaral afirmou que, apesar de o programa já atender pequenas e médias empresas, os bancos preferem conceder o empréstimo às grandes. Acontece que a linha Proex Financiamento é operada exclusivamente pelo Banco do Brasil. "Nós adoraríamos repassar o Proex Financiamento, e nos comprometeríamos a destinar empréstimos a pequenas e médias empresas", disse o diretor de câmbio do Unibanco, Angelo Vasconcellos. "O problema é que só o Banco do Brasil opera com a linha Proex Financiamento, e nós só podemos repassar o Proex Equalização."

Agencia Estado,

28 de novembro de 2002 | 21h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.