Dida Sampaio
Dida Sampaio

'Esperamos grande período de recuperação com menos volatilidade', diz Meirelles

Em evento em Londres, o ministro afirmou que agências de classificação de risco aguardam andamento das reformas para alterar a nota doméstica

Célia Froufe, correspondente, O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2017 | 11h21

LONDRES - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta terça-feira que espera um grande período de recuperação econômica no Brasil e com menos volatilidade do que a observada no passado. Meirelles fez a afirmação no fim de sua apresentação durante o 1º Seminário Internacional Macro Vision 2017, realizado pelo Itaú Unibanco na capital britânica.

Após sua fala, o ministro foi questionado pela plateia sobre a questão social no Brasil, que apresenta muitos contrastes. O primeiro desafio, de acordo com ele, é ampliar empregos porque há milhões de desempregados no País. O ministro afirmou que o segundo desafio é melhorar a questão fiscal.

Perguntado se as reformas propostas e encaminhadas pelo governo levarão a uma melhora do rating soberano do País, o ministro respondeu que essa seria uma "consequência natural", mas que as agências de classificação de risco deverão, primeiro, aguardar os resultados dessas propostas antes de tomarem medidas práticas para alterar a nota doméstica. "Estamos no começo do processo", afirmou. "Provavelmente, acho que as agências estão esperando para ver isso (o efeito das reformas) se consolidar", afirmou. 

Arrecadação. Meirelles salientou que o aumento da arrecadação é um dos sinais de que a economia está em recuperação. "A alta da arrecadação é um dos sinais de retomada do crescimento", avaliou o ministro.

+ 'Tenho resultados concretos de investimentos no Brasil', diz Meirelles

Ele explicou que há uma correlação entre arrecadação e desempenho do Produto Interno Bruto (PIB). Quando o PIB está crescendo, de acordo com ele, a arrecadação cresce mais. Por outro lado, quando o PIB cai, a coleta de impostos pelo governo se recua ainda mais. "Em resumo, a arrecadação anda na mesma direção do PIB, mas de uma forma mais acentuada", disse.

Mais conteúdo sobre:
Henrique Meirelles

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.