Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

'Espero que o Estadão não erre', diz Maia sobre Placar da Previdência

Presidente da Câmara espera concluir a votação dos dois turnos da reforma da Previdência ainda nesta semana

Rafael Moraes Moura, Mariana Haubert e Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2019 | 13h01

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quarta-feira, 10, que está "muito otimista" com a aprovação da reforma da Previdência na Casa e que pretende iniciar a votação do texto-base entre 14h30 e 15h. Maia afirmou que os trabalhos nesta quarta-feira devem seguir madrugada adentro, comemorou o resultado do Placar da Previdência do Estadão e disse que espera concluir a votação da reforma da Previdência ainda nesta semana na Câmara.

Deputados e técnicos da Câmara estimam, no entanto, que a votação do texto-base da reforma da Previdência acontecerá apenas no início da noite desta quarta-feira. A demora se dá porque até o momento, a sessão destinada à análise do texto ainda não foi retomada e, quando começar, os parlamentares terão tempo para discursar e para enfrentar os requerimentos de obstrução protocolados pela oposição.

Maia também comentou o resultado do Placar da Previdência, do Estadão, que aponta que a reforma já ultrapassou  o apoio de 308 parlamentares, número mínimo necessário de votos favoráveis para que o texto seja aprovado na Casa. "Eu vi (o placar da Previdência), é bom. Espero que o Estadão não erre", disse a jornalistas, depois de participar da instalação de uma comissão especial na Câmara para tratar da reforma tributária.

Indagado pela imprensa sobre se teria um palpite para o placar da votação desta quarta-feira, Maia respondeu: "Como eu vou saber (o resultado)?. Eu não cravaria nada, eu sonharia com 513 votos. A votação de ontem é um bom parâmetro."

Nesta terça-feira, 9, o plenário da Casa realizou duas votações que foram vistas como um bom termômetro para a votação do texto-base da reforma. Por 331 votos a 117, a Casa rejeitou um requerimento da oposição que visava retirar a previdência da pauta do plenário, o que inviabilizaria a sua análise. Na outra votação, 353 deputados apoiaram o encerramento da discussão da reforma contra 118 que queriam continuar discutindo a matéria.

Estados

Sobre a inclusão de Estados na reforma da Previdência, Maia avalia que o debate deve ser feito antes no Senado Federal. "Eu conversei com o presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP), o governador Eduardo Leite (do Rio Grande do Sul), eu entendi que a melhor alternativa era que esse debate fosse feito no Senado. A gente precisa resolver os Estados e municípios também, mas incluir agora e ter uma derrota (na Câmara) eu acho que vai azedar a relação do Parlamento com os governadores. Não foi possível, vamos ver se o Senado consegue ajustar isso e a partir daí volta como PEC paralela e a gente faz o debate em um ambiente menos tensionado", ponderou Maia.

O presidente da Câmara voltou a afirmar que a reforma da Previdência editada pelo governo Jair Bolsonaro é "muito boa", mesmo não sendo "perfeita". "É um passo importante para que o Parlamento demonstre a sociedade que vai continuar pautando matérias para que a gente possa reduzir desigualdade, diminuir a pobreza e voltar a gerar emprego", comentou.

"É um dia importante para a sociedade. Precisamos reorganizar o Estado brasileiro para que a gente possa ter recursos para investir na área social, reduzir desigualdades, melhorar a eficiência do Estado brasileiro", completou Maia.

Tudo o que sabemos sobre:
Rodrigo Maiareforma previdenciária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.