ISSEI KATO/REUTERS/08/03/2019
ISSEI KATO/REUTERS/08/03/2019

Esposa de Carlos Ghosn deixa o Japão para não enfrentar a Justiça

Ela afirma se 'sentir em perigo' após nova prisão do marido, ocorrida na última quinta-feira

AFP, FRANÇA

07 de abril de 2019 | 16h31

A esposa do ex-presidente da Renault-Nissan, o franco-brasileiro Carlos Ghosn, deixou o Japão após a nova prisão do marido porque se sentia "em perigo", declarou ela ao jornal francês Le Journal du Dimanche, evitando assim ter que depor à Justiça japonesa.

Os promotores japoneses queriam questionar Carole Ghosn, de acordo com vários meios de comunicação japoneses, incluindo a agência de notícias Kyodo, que afirmou que os valores supostamente desviados pelo ex-diretor da Renault-Nissan poderiam ter passado por uma empresa dirigida por ela.

Ghosn foi novamente preso na última quinta-feira em Tóquio por novas suspeitas de desfalque financeiro, um mês depois de ser libertado sob fiança.

Carole Ghosn, que estava presente quando ele foi preso, disse que retornou à França apesar do fato de seu passaporte libanês ter sido confiscado pela polícia japonesa. A mulher disse que usou seu outro passaporte, americano.

"O embaixador francês me acompanhou ao aeroporto. Ele não me deixou sozinha até chegar ao avião", disse ela. "Até o último segundo, não sabia se eles me deixariam decolar."

A mulher também disse que se recusou a assinar um documento em japonês durante a prisão de seu marido. "Eles queriam me levar com eles mais tarde, e meu advogado me aconselhou a recusar", acrescentou Carole Ghosn.

Mensagem gravada

Carole contou ao jornal que seu marido gravou uma mensagem para "designar os responsáveis pelo que acontece com ele e que será transmitida em breve".

Ghosn, que passou 108 dias na cadeia, havia anunciado no dia anterior que planejava realizar uma coletiva de imprensa em 11 de abril para "contar a verdade sobre o que está acontecendo".

"Quando entendeu que seria preso , ele gravou uma entrevista no Skype para a TF1 e a LCI", explicou Carole Ghosn.

No sábado, o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, disse que pediu a seu colega japonês que garantisse o direito de proteção consular e a presunção de inocência do ex-presidente da Renault-Nissan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.